Tempo
|
A+ / A-

Cessar-fogo na Síria foi violado 60 vezes em 48 horas

14 set, 2016 - 18:27

Apesar destes incidentes relatados pela Rússia, o Observatório para os Direitos Humanos na Síria não registou qualquer vítima mortal civil ou militar.

A+ / A-

O cessar-fogo na Síria foi violado 60 vezes nas primeiras 48 horas, avança um general russo à agência de notícias Interfax.

A maior parte dos incidentes foi provocado pelo grupo armado Ahrar al-Sham, uma coligação de militantes islamitas que combate o regime do Presidente Bashar al-Assad.

Apesar destes episódios relatados pela Rússia, o Observatório para os Direitos Humanos na Síria não registou qualquer vítima mortal civil ou militar nas primeiras 48 horas do cessar-fogo, que entrou em vigor na segunda-feira.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, pediu esta quarta-feira aos Estados Unidos que façam mais para apoiar as tréguas.

Numa conversa telefónica com o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, o chefe da diplomacia russa pediu que os Estados Unidos cumpram a promessa de separar os combatentes da oposição moderada síria dos grupos jihadistas, como a antiga Frente al Nusra, actual Jabhat Fatah al Sham.

Lavrov e Kerry também discutiram formas de lutar em conjunto contra a Jabhat Fatah al Sham e o autoproclamado Estado Islâmico.

O cessar-fogo que entrou em vigor no início da semana é a segunda tentativa realizada este ano para parar uma guerra civil que dura há cinco anos.

A Rússia é aliada do regime do Presidente Bashar al-Assad, enquanto os Estados Unidos apoiam grupos rebeldes moderados que combatem o regime de Damasco.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+