A+ / A-

​Caixa negra de avião russo confirma carácter rápido do incidente

06 nov, 2015 - 18:31 • Celso Paiva Sol com agências

Não haverá neste momento turistas portugueses no Egipto, numa altura em que as autoridades nacionais desaconselharam viagens para a península do Sinai.

A+ / A-

Os dados de uma das caixas negras do avião russo, que se despenhou na península egípcia do Sinai, confirmaram o carácter "violento e rápido" dos acontecimentos que levaram à queda do aparelho.

A informação foi avançada por uma fonte próxima deste dossier em Paris, citada pela agência francesa AFP.

Segundo os dados fornecidos pela caixa negra do avião da Metrojet, que regista todos os parâmetros técnicos do voo, "tudo estava normal, absolutamente normal durante o voo, e de repente não há mais nada".

"Isto dá a sensação de rapidez, do carácter imediato" dos acontecimentos, referiu a fonte, numa altura em que as duas caixas negras do aparelho, uma que contém os parâmetros do voo e outra que regista as conversas da tripulação, foram analisadas.

O Airbus A321 da companhia Metrojet caiu no sábado no Sinai, após ter descolado da estância balnear egípcia Sharm el-Sheikh com destino à cidade russa de São Petersburgo, causando 224 mortos.

A autoria do desastre foi reivindicada pelos jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico (EI).

As autoridades norte-americanas e britânicas declararam ser possível que um explosivo tenha causado a queda do avião, enquanto o Egipto e a Rússia pediram paciência antes de tirar conclusões até que os resultados da investigação sobre o acidente sejam conhecidos.

O Governo português desaconselhou na quinta-feira viagens para a península do Sinai.

Não haverá turistas portugueses no Egipto

As autoridades portuguesas acreditam nesta altura que não há turistas nacionais no Egipto. A informação só não é 100% rigorosa, porque há sempre movimentações que acabam por escapar aos canais oficiais.

Cruzando os dados apurados junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros e junto da Associação das Agências de Viagens, parece de facto não haver dúvidas. As operações turísticas para o Egipto fazem-se quase exclusivamente no Verão e nesta altura, questionados todos os operadores turísticos, não há noticia sequer de uma lua de mel.

Já ao Gabinete de Emergência Consular chegou um único pedido de informações, e mesmo esse foi feito por um português que reside em Londres e que tentava aconselhar-se sobre uma eventual viagem até ao Egipto.

O mesmo tem acontecido com outros cidadãos nacionais, que têm contactado directamente o consulado geral em Londres.

Excluindo os turistas, os dados oficiais apontam para a existência de 147 portugueses registados na sessão consular da embaixada nacional no Cairo, sendo que em Sharm el-Sheikh, residem três desses portugueses.

Um deles está nesta altura a caminho da Europa e outros dois, do sexo feminino, vivem naquela cidade, casadas com cidadãos egípcios.

Formalmente, o Ministério dos Negócios Estrangeiros desaconselha viagens para o Norte do Sinai já desde o passado mês de Março, conselho que agora ganhou outra visibilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    07 nov, 2015 Cacém 13:43
    Turistas em Sharm el-Sheikh? O que aconteceu, em Junho na Tunísia, não chegou? Os ataques sistemáticos por toda a África, a fuga das populações civis que ao longo de TODO O ANO tem "atravessado" o Mediterrâneo.... Acham que os Genocídios estão a acontecer no "Planeta Marte"? Que são "meia-dúzia" de Jihadistas? Foi com o 11 de Setembro que os Jihadistas "agradeceram" a ajuda militar dos EUA contra a URSS, no Afeganistão. As pessoas estão à espera de quê?

Destaques V+