A+ / A-

Jihadistas insistem que abateram avião russo

04 nov, 2015 - 12:55

“Morram na vossa frustração”, dizem os militantes da Província do Sinai numa mensagem em que desafiam os investigadores a provar que não foram eles a abater Airbus A321.

A+ / A-

Os militantes do Estado Islâmico que operam na península do Sinai, no Egipto, voltaram esta quarta-feira a reivindicar a autoria da queda do avião russo naquela região, no passado sábado.

A reivindicação do grupo, que se chama Província do Sinai, carece de quaisquer provas e tem sido recebida com cepticismo pelas autoridades russas e egípcias, que continuam a apontar como causa provável uma falha mecânica ou estrutural do aparelho. Um especialista russo chegou a dizer que o avião se tinha partido em dois ainda no ar, o que daria alguma credibilidade à possibilidade de atentado, mas na terça-feira o ministro da Aviação Civil do Egipto veio dizer que não há provas nesse sentido e que é demasiado cedo para chegar a conclusões.

Mas os jihadistas, numa mensagem áudio transmitida no Twitter, dizem que a seu tempo mostrarão as provas e desafiam os investigadores a explicar o que motivou a queda.

“Dizemos aos que negam e aos que duvidam: Morram na vossa frustração”, começa a mensagem.

“Fomos nós, pela graça de Deus, que o abatemos e não temos obrigação de divulgar o mecanismo da sua destruição”, diz o grupo.

A mensagem continua com um desafio aos investigadores. “Por isso vão aos destroços, investiguem, tragam as vossas caixas negras e analisem, façam-nos um resumo da vossa investigação e do produto da vossa investigação e provem que não fomos nós que o abatemos, ou mostrem como é que caiu”.

Há anos que a Rússia se confronta com insurreições de teor jihadista nas suas repúblicas de maioria islâmica, mas Moscovo ficou ainda mais na mira dos movimentos fundamentalistas internacionais desde que começou a envolver-se mais directamente no conflito na Síria, apoiando o Governo na sua luta contra rebeldes, incluindo os que defendem a causa jihadista.

Na primeira mensagem em que reivindicou a destruição do avião, o grupo Província do Sinai disse que se tratava de um acto de vingança pelos civis mortos em bombardeamentos russos na Síria.

Airbus A321, que fazia a ligação entre Sharm el-Sheikh e a cidade russa de São Petersburgo, despenhou-se sábado, matando todas as 224 pessoas a bordo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    04 nov, 2015 Cacém 14:21
    "... a seu tempo mostrarão as provas..." e "...não temos obrigação de divulgar o mecanismo da sua destruição...", quando se reivindica um atentado apresentam-se provas, de que só o autor tem o conhecimento. O resto é conversa fiada. Nesse local passam também os aviões dos PATROCINADORES desse grupo, bastava acertarem por engano noutro avião e acabava-se logo a "jihad".
  • Luis
    04 nov, 2015 Lisboa 13:49
    É a resposta aos bárbaros e incessantes bombardeamentos civis na Síria efectuados pela aviação Russa.

Destaques V+