A+ / A-

Afinal, haverá provas de atentado contra avião russo

04 nov, 2015 - 23:26

Fontes não identificadas pela Reuters já admitem o ataque à bomba, mas as investigações ainda prosseguem.

A+ / A-

Fontes da segurança europeias e norte-americanas, não identificadas pela agência Reuters, dizem que há provas que sugerem que a detonação de uma bomba terá estado na origem da queda de um avião russo na península do Sinai, no Egipto.

As mesmas fontes acrescentam que não há ainda conclusões finais sobre o desastre que vitimou 224 pessoas.

Um grupo terrorista alegadamente ligado ao autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque ao avião.

No entanto, desde as primeiras horas que autoridades russas e egípcias têm negado a hipótese de atentado.

Ouvido pela Renascença, o investigador do Instituto Português de Relações Internacionais Carlos Gaspar considera que, a confirmar-se, esta é "uma resposta previsível do Estado Islâmico à intervenção muito significativa que a Rússia está a fazer na Síria.

Carlos Gapar explica ainda que o "Estado Islâmico cresce em função dos inimigos que consegue obter e, dentro desse cenário, a explicação para um eventual atentado do Estado Islâmico contra um avião civil russo, além de confirmar a sua natureza bárbara e terrorista, seria justamente estimular essa imagem, essa percepção de que o Estado Islâmico está a ser objecto de acções de guerra por parte de todas as principais potências cristãs, para usar a linguagem que é reconhecida por esses movimentos sectários".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis
    06 nov, 2015 Lisboa 09:31
    Ó ANTÓNIO COSTA, acrescente também nesse seu rol de hipóteses a falta de manutenção habitual dos aviões Russos.
  • António Costa
    05 nov, 2015 Cacém 10:51
    As autoridades egípcias, com o turismo pelas "ruas da amargura" nem querem ouvir falar de mais um atentado. Os responsáveis Airbus que AGORA conhecem as FALHAS dos "novos materiais" usados na construção dos aviões nem querem ouvir falar de mais uma falha na estrutura dos aviões. Com tantos INTERESSES ao "barulho" onde é que ficamos? Ainda por cima, o Sinai, zona fronteira com ISRAEL é das Zonas MAIS VIGIADAS do Mundo!

Destaques V+