A+ / A-

Porque caiu o avião russo no Egipto? Factores externos ou problemas técnicos

02 nov, 2015 - 11:24

Aparelho, que fazia a ligação entre Sharm el-Sheikh e a cidade russa de São Petersburgo, despenhou-se sábado, matando todas as 224 pessoas a bordo.

A+ / A-

O Airbus A321 despenhou-se no sábado no Sinai, Egipto, matando todas as 224 pessoas a bordo. A companhia russa atribui acidente a factores externos, mas uma comissão de investigação egípcia garante que o aparelho não foi abatido.

A companhia área russo avançou esta segunda-feira que acidente deveu-se a factores externos, precisando que foi afastada a possibilidade de problemas técnicos terem provocado a quebra do aparelho em voo.

"Não há falhas técnicas que possam fazer com que o avião se parta no ar", disse Alexander Smirnov, um responsável da companhia MetroJet (Kogalymavia), numa conferência de imprensa em Moscovo. "A única explicação é algum tipo de acção exterior", acrescentou.

Smirnov disse que os pilotos do Airbus A321 perderam "completamente o controlo" do aparelho e não tentaram fazer qualquer contacto rádio com os controladores aéreos. A mesma fonte acrescentou que o avião estava em "excelentes condições técnicas".

À agência Reuters, uma fonte da comissão egípcia que está a investigar a queda disse que o avião russo não foi atingido por qualquer projéctil a partir do exterior.

No sábado, um grupo ligado ao autodenominado Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque ao avião. Uma reivindicação não confirmada por nenhum dos dois países.

Os primeiros restos mortais das vítimas mortais chegaram esta segunda-feira a São Petersburgo.

O aparelho, que fazia a ligação entre a estância turística egípcia de Sharm el-Sheikh e a cidade russa de São Petersburgo, despenhou-se no sábado no Sinai, matando todas as 224 pessoas a bordo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    02 nov, 2015 Cacém 22:01
    Acordaram ontem? A ingerência de Russos e Americanos no Médio Oriente, que já vem do tempo da guerra fria. O apoio soviético acabou com a URSS e países como a Argélia, a Líbia, a Síria, o Iraque ficaram "pendurados". A Argélia passou por momentos muito difíceis e a Líbia é o que se sabe. O Iraque acabou invadido pelos EUA e a Síria foi arrastada para uma sangrenta guerra civil. No Médio Oriente as intervenções estrangeiras injustificadas ou não, são o "pão nosso de cada dia".
  • Luis
    02 nov, 2015 Lisboa 13:53
    O avião Russo caiu no Egipto porque foi abatido. É a consequência da repentina e injustificada ingerência Russa na Síria e isto não vai ficar só por aqui. A Rússia que se prepare porque é só o começo do pesadelo Russo.
  • GURU
    02 nov, 2015 lisboa 13:12
    é que desde que os russos começaram a bombardear o ISIS já voltaram para lá 1 milhão de refugiados que estavam em fuga!
  • GURU
    02 nov, 2015 lisboa 13:10
    Foi a CIA...bomba a bordo para ver se os Russos perdem a vontade de andar a estragar os negócios dos EUA

Destaques V+