Tempo
|
A+ / A-

Costa compara política à maratona e os próximos quilómetros vão ser decisivos

28 set, 2019 - 02:11 • Susana Madureira Martins

No comício desta sexta-feira em Viana do Castelo o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, apelou à mobilização: "fiem-se nas sondagens e não corram”.

A+ / A-
António Costa em Viana do Castelo - Reportagem de Susana Madureira Martins
António Costa em Viana do Castelo - Reportagem de Susana Madureira Martins

A vida política é uma maratona e os próximos dias até às eleições legislativas vão ser determinadas, disse o líder do PS, António Costa, esta sexta-feira à noite, num comício em Viana do Castelo.

António Costa ignorou olimpicamente o caso de Tancos e pôs um homem de mão a endurecer o discurso contra o secretário-geral do PSD, Rui Rio.

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, muito próximo do secretário-geral do PS, acusou Rio de um ataque sem precedentes ao carácter de Costa, para concluir que pouco ficou do banho de ética defendido pelo líder do PSD.

“Em dois dias, entre banho ético e bebé, o que Rui Rio fez, um homem que tinha a confiança e até a expetativa de milhares de portugueses, Rui Rio deitou o banho fora com o bebé lá dentro. Não volta essa água a esse rio. Foi o banho, foi o bebé e foi também o ataque de caráter a António Costa, que desmascarou aquela que era uma personalidade que se julgava fora da política. O PS não aceita essa situação”, declarou o autarca.

Miguel Alves salientou que a posição de António Costa se mantém desde os dias difíceis do partido por causa de José Sócrates.

“Sabemos que num momento particularmente difícil para o PS, com um caso mediático de justiça a envolver um secretário-geral, mesmo aí quando o coração podia pulsar mais forte do que a razão, António Costa sempre disse à justiça o que é da justiça, à política o que é da política. E disse sempre, não mudou de opinião.”

Miguel Alves avisou ainda o eleitorado socialista para que não se fie nas sondagens que dão ao partido a maioria absoluta. “Fiem-se nas sondagens e não corram”, atirou o autarca.

António Costa quer correr, sim, numa modalidade que nem sequer existe: a maratona de estafetas e estamos ainda a meio da corrida.

“A vida política é também uma longa maratona. É uma maratona tão longa que combina com a estafeta e, por isso, vamos cada um de nós fazendo os nossos 42 quilómetros e passando o testemunho a outro para fazer mais 42 quilómetros. Eu diria que nós estamos nos 21 quilómetros, que iniciámos há quatro anos e podemos chegar aqui e podemos dizer que cumprimos os compromissos que assumimos com os portugueses”, afirmou o líder do PS.

Neste comício em Viana do Castelo, António Costa deixou uma previsão: nenhum dos próximos dias é um dia qualquer, todos são dias decisivos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+