A+ / A-

Sindicato denuncia despedimento de 115 trabalhadores em fábricas da Coindu

26 mar, 2024 - 16:44 • Lusa

Despedimento coletivo abrange unidades de Arcos de Valdevez e Vila Nova de Famalicão. A Coindu é um fabricante de componentes para o setor automóvel.

A+ / A-

O Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA) revelou esta terça-feira que a empresa Coindu vai despedir esta semana 115 trabalhadores das fábricas em Arcos de Valdevez, Alto Minho, e Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga.

"A empresa Coindu irá levar a cabo um despedimento coletivo e já tem data para se iniciar. O despedimento coletivo iniciar-se-á ainda no decorrer desta semana e irá abranger trabalhadores de ambas as unidades produtivas, em Arcos de Valdevez e de Joane [Vila Nova de Famalicão], num total de 115 pessoas", refere o SIMA em comunicado enviado às redações.

A agência Lusa contactou a administração da Coindu, fabricante de componentes para o setor automóvel, mas não obteve resposta.

O sindicato adianta estar preocupado com "o facto de este ser um segundo despedimento coletivo após o de final de 2023 e também pelo impacto que terá não só junto dos trabalhadores abrangidos como o dos que não sendo abrangidos vivem em clima de incerteza".

Para o SIMA, este despedimento coletivo "tem ainda impacto junto das comunidades onde as unidades produtivas se inserem".

"O SIMA já alertou para a importância de envolver as entidades oficiais, nomeadamente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para assegurar o acompanhamento e o encaminhamento dos trabalhadores abrangidos", adianta a nota.

Em novembro último, em resposta por escrito a um pedido de esclarecimento da agência Lusa, a Coindu anunciou "a intenção de proceder a um despedimento coletivo de 103 dos 2.300 trabalhadores" e garantiu "não haver lugar ao encerramento de qualquer das suas unidades de produção".

"Trata-se de um procedimento transparente e fundamentado que vem decorrendo com a maior serenidade e com a compreensão por parte dos trabalhadores da Coindu", sustentava a empresa.

Na resposta então enviada à Lusa, a Coindu adiantava que iria "continuar a mover esforços no sentido de conseguir novas nomeações de projetos e manter em pleno funcionamento todas as unidades de Portugal, conforme tem vindo a ser praticado nos últimos 35 anos".

"Neste sentido, a Coindu tem vindo a fazer um grande investimento nas áreas tecnológicas com vista a um posicionamento competitivo face aos mercados concorrentes de baixo custo", acrescentou.

Em Portugal, a Coindu, fundada em 1988, tem unidades fabris em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo, e em Vila Nova de Famalicão, no distrito de Braga.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+