Tempo
|
A+ / A-

​Dúvidas Públicas

Ministra da Agricultura deixa porta aberta a declaração de calamidade no Algarve

19 jan, 2024 - 07:03 • Sandra Afonso , Arsénio Reis

Em entrevista ao programa Dúvidas Públicas, da Renascença, Maria do Céu Antunes explica que, esgotadas as verbas da PAC, tem de ser pedida autorização a Bruxelas para atribuir auxílios de Estado. No entanto, tudo estará “claramente” concluído até às eleições, garante.

A+ / A-
Ministra da Agricultura deixa porta aberta a declaração de calamidade no Algarve
Ministra da Agricultura deixa porta aberta a declaração de calamidade no Algarve

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, deixa a porta aberta à declaração de estado de calamidade no Algarve.

Em entrevista ao programa Dúvidas Públicas, da Renascença, Maria do Céu Antunes admite que este cenário ainda não foi discutido no âmbito da seca que a região atravessa. Ainda assim, se se verificar necessário, o Governo avança.

“Não discutimos essa matéria, discutimos sim é de que maneira é que podemos ajudar os cidadãos nos territórios mais fragilizados. Calamidade pública? Se isso trouxer água ou soluções às pessoas, nós fá-lo-emos, mas de facto o que estamos a fazer é encontrar soluções para o imediato”, salienta.

Para fazer face aos efeitos da seca e às próprias soluções apresentadas, como cortes médios de 25% na água para a agricultura, o Governo já garantiu que haverá ajudas.

Ao programa “Dúvidas Públicas”, Renascença, Maria do Céu Antunes explica que os apoios ao setor, no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC), já estão esgotados.

Agora, tem de ser pedida autorização a Bruxelas para atribuir auxílios de Estado. No entanto, tudo estará “claramente” concluído até às eleições, garante a ministra da Agricultura.

Em cima da mesa, ainda em análise, estão três linhas de apoio para minimizar o efeito da seca.

“Uma linha de apoio diretamente à produção, para que não se perca o potencial produtivo; uma outra linha para as associações de regantes, no Algarve são três, para que essas associações possam manter as infraestruturas a funcionar; e a terceira, uma linha de crédito bonificada para poder ajudar as operações de tesouraria”, explica a governante.

São excertos da entrevista da ministra da Agricultura à Renascença, com o Governo em gestão, onde Maria do Céu Antunes aborda vários temas que atravessaram o mandato.

Pode ouvir o programa Dúvidas Públicas no sábado, a partir do meio-dia, na antena da Renascença ou no site e nas plataformas de podcast.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Teigão
    21 jan, 2024 Evora 09:01
    Calamidade é deixarem o Guadiana levar milhões de metros cúbicos agua para o mar,calamidade é deixar outras centenas de ribeiras levaram outros milhões de agua para o mar.....não mudem a política da gestão da agua para armazenagem e eficiência no controle do gasto da mesma e um dia ainda vão passar pior!
  • Jose Carlos Fonseca
    19 jan, 2024 Maia 13:22
    Porque deixaram plantar abacates e mangas no algarve que são autênticos sorvedouros de agua?

Destaques V+