Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Economia

Falência da Efacec custaria ao Estado entre 60 e 65 milhões de euros por ano

06 nov, 2023 - 16:42 • Lusa

“Pelo facto de a empresa estar a funcionar, o Estado recolheu em termos de IRS e contribuições para a segurança social cerca de 100 milhões de euros”, defende António Costa Silva.

A+ / A-

O ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, estimou esta segunda-feira que a falência da Efacec custaria ao Estado entre 60 a 65 milhões de euros por ano, entre subsídios de desemprego e perdas de contribuições sociais.

António Costa Silva falava numa audição parlamentar conjunta da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) e da Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2024 (OE2024).

“Fizemos as contas para avaliar o que eram os subsídios se a Efacec falisse, quais eram os custos para o Estado português, para cerca de dois mil trabalhadores, metade dos quais têm formação superior”, explicou.

Segundo o ministro, tal “significava pagar por mês, entre 1,7 a dois milhões de euros para o subsídio de desemprego, o que daria cerca de 20 a 25 milhões [de euros] por ano”, a que acresceriam “as contribuições que a empresa faz e não eram recebidas”, que corresponderiam a “3,3 milhões por mês, o que daria cerca de 40 milhões [de euros] por ano”.

Para Costa Silva estes números ilustram o quão “importante” é a “empresa estar a funcionar” e a criar valor.

“Pelo facto da empresa estar a funcionar, o Estado recolheu em termos de IRS e contribuições para a segurança social cerca de 100 milhões de euros”, exemplificou.

O ministro da tutela sublinhou ainda que a Efacec tem “2.800 empresas que são fornecedores”, pelo que “alimenta um ecossistema fortíssimo”.

“Pelo facto de estar a operar, a Efacec conseguiu ganhar projetos no mercado nacional e internacional de 845 milhões de euros”, apontou.

O Estado vendeu a totalidade da Efacec (nacionalizada em 2020) ao fundo de investimento alemão Mutares, que injetará 15 milhões de euros em capital e dará garantias para empréstimos no valor de 60 milhões de euros.

No âmbito da venda, o Estado acordou injetar 160 milhões de euros na empresa e o Banco de Fomento financia em mais 35 milhões de euros, através da compra de obrigações (convertíveis em capital).

Estes valores somam-se aos 200 milhões de euros que o Estado já tinha injetado na empresa nos últimos 20 meses (para pagar custos fixos, desde logo salários).

Em abril, a Parpública anunciou ter recebido propostas vinculativas melhoradas de quatro candidatos à compra de 71,73% da Efacec, no âmbito do processo de reprivatização da empresa.

A Efacec, que tem sede em Matosinhos, conta com cerca de 2.000 trabalhadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+