Tempo
|
A+ / A-

EDP prevê mais 100 a 200 milhões no lucro estimado para 2023

03 nov, 2023 - 14:42 • Lusa

A EDP previa um lucro de 1.100 milhões de euros em 2023. Recuperação da produção hídrica e consolidação da EDP Brasil estão por trás dos resultados melhores.

A+ / A-

A EDP disse esta sexta-feira esperar um lucro entre 1.200 e 1.300 milhões de euros em 2023, mais 100 a 200 milhões do que o estimado anteriormente, devido à evolução positiva do mercado e da produção hidroelétrica.

A revisão em alta da previsão de lucros foi anunciada pelo presidente executivo da elétrica, Miguel Stilwell de Andrade, durante a teleconferência com analistas sobre os resultados dos primeiros nove meses do ano.

Na quinta-feira, a EDP reportou um lucro de 946 milhões de euros até setembro, um crescimento de 83% em termos homólogos, graças, em parte, à recuperação da produção hídrica em Portugal.

Em julho, a EDP previa um lucro de 1.100 milhões de euros em 2023.

Segundo as explicações aos analistas, a revisão em alta do lucro anual deve-se também ao bom desempenho da rotação de ativos e a consolidação da EDP Brasil, depois da oferta pública de aquisição (OPA) anunciada em março.

O grupo mantém as previsões de cerca de 5.000 milhões de euros de EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) para este ano, bem como uma dívida líquida de cerca de 15.000 milhões de euros.

Questionado sobre a tarifa social da eletricidade, Stilwell de Andrade lembrou que o Governo aprovou alterações ao modelo de financiamento do apoio, mas os detalhes ainda não são conhecidos.

"Esperamos que, para a EDP, os custos com a tarifa social da eletricidade sejam mais baixos do que no passado, mas ainda aguardamos os detalhes", apontou o responsável, sublinhando que o problema do grupo não é com a tarifa em si, mas "como e por quem é financiada".

O Conselho de Ministros aprovou, em 12 de outubro, o novo modelo de financiamento da tarifa social da eletricidade, passando a ser comparticipada também pelos comercializadores e restantes agentes no mercado de consumo de energia elétrica.

A tarifa social de energia garante um desconto de 33,8% sobre as tarifas de venda a clientes finais para agregados com dificuldades financeiras, tendo sido alargada, em 2020, às situações de desemprego.

A EDP anunciou, em 29 de outubro de 2020, que ia pedir à Comissão Europeia (CE) uma análise sobre o mecanismo de financiamento da tarifa social a cargo dos produtores, uma vez que, desde 2011 até então, foi imputado à elétrica um custo superior a 460 milhões de euros.

Em novembro do ano passado, a EDP disse à Lusa que a CE confirmou o caráter discriminatório do modelo de financiamento da tarifa social de energia, em resposta ao pedido de verificação feito pela empresa em 2020.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+