Tempo
|
A+ / A-

Christine Ourmières-Widener

TAP tem até meados de novembro para responder ao processo da ex-CEO

19 out, 2023 - 15:01 • Lusa

Defesa da ex-CEO, a cargo da advogada Inês Arruda, assegura que Christine Ourmières-Widener “irá com toda a certeza dar esclarecimentos em breve".

A+ / A-

A TAP foi citada no processo cível da ex-presidente executiva da companhia, Christine Ourmières-Widener, e tem agora 30 dias para responder, ou seja, até meados de novembro, adiantou esta quinta-feira à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo a mesma fonte, as empresas visadas como réus na ação - TAP SGPS e a TAP S.A. – foram citadas na última sexta-feira, quando o processo relativo à saída de Christine Ourmières-Widener da presidência executiva da companhia já tinha dado entrada nos tribunais no dia 05 de setembro, sendo distribuído no dia seguinte ao juiz 3 do Juízo Central Cível de Lisboa.

Contactada pela Lusa, a defesa da ex-CEO, a cargo da advogada Inês Arruda, limitou-se a assegurar que Christine Ourmières-Widener “irá com toda a certeza dar esclarecimentos em breve, mas que ainda não é o momento oportuno” para falar publicamente sobre o processo, no qual exige cerca de 5,9 milhões de euros à companhia.

Na única declaração pública feita depois de ser conhecida a entrada do processo nos tribunais, a antiga presidente executiva da TAP defendeu que qualquer decisão dos tribunais no processo contra a companhia aérea não vai apagar os danos causados por uma demissão que considera abrupta e injustificada, apesar de mostrar “confiança na justiça”.

“Espero que seja reposta toda a verdade. Infelizmente, qualquer decisão que venha a ser tomada não poderá reparar integralmente os enormes danos reputacionais e pessoais que sofri e continuo a sofrer. Ninguém deveria passar pelo que passei, nem pessoal, nem profissionalmente”, afirmou Christine Ourmières-Widener no passado dia 07 de setembro.

O Governo anunciou a exoneração de Christine Ourmières-Widener e do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, em 06 de março, depois de divulgados os resultados de uma auditoria da Inspeção-Geral das Finanças (IGF), que concluiu que o acordo para a saída da antiga administradora Alexandra Reis é nulo e que grande parte da indemnização (de perto de meio de milhão de euros) teria de ser devolvida.

A polémica começou no final de dezembro de 2022, altura em que o Correio da Manhã noticiou que a então secretária de Estado do Tesouro tinha recebido uma indemnização de cerca de 500 mil euros para sair dois anos antes do previsto da administração da empresa.

O caso motivou uma remodelação no Governo, incluindo a saída do ex-ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+