Tempo
|
A+ / A-

Mobilidade

Deco quer mudar lei para compensar passageiros por greves nos transportes

02 out, 2023 - 16:52 • João Pedro Quesado

Associação considera atual legislação "inconstitucional e discriminatória", e enviou queixa à provedora da Justiça. Passageiros de comboios e autocarros não são abrangidos pelos mesmos direitos que nos transportes marítimos e fluviais.

A+ / A-

A Deco Proteste quer que todos os passageiros de transportes públicos afetados por greves sejam compensados, e submeteu uma queixa à Provedora da Justiça por considerar que a atual legislação é “inconstitucional, ilegal e discriminatória”.

A associação de defesa do consumidor lançou esta segunda-feira uma campanha pela compensação dos titulares de passes de transporte em caso de greve. Ao juntar-se a esta campanha, em grevestransportes.pt, os consumidores estão a apoiar a queixa à Provedora e serão informados do resultado da mesma, diz a porta-voz da Deco Proteste à Renascença.

Soraia Leite afirma que o atual quadro legislativo “não considera e não salvaguarda os interesses económicos e reparação dos danos dos consumidores” quando estes compram “um passe ou um título sazonal” no transporte ferroviário ou rodoviário e, “por uma ocorrência da greve, deixam de poder usufruir de um serviço para o qual pagaram e esse serviço não lhes é prestado”.

Os utentes dos transportes rodoviários e ferroviários não são abrangidos pelas mesmas proteções que os passageiros nos transportes marítimos e fluviais, já que existe legislação específica para cada um dos setores.

Na queixa à Provedora da Justiça, entregue em setembro, a Deco Proteste pede que a atual legislação seja remetida para o Tribunal Constitucional, para que este se pronuncie sobre uma lei que a associação diz ser “inconstitucional”.

A porta-voz declara ainda que a associação “tem convicção” de que “o quadro legislativo passe a considerar a proteção do interesse económico e reparação dos danos nesta matéria da compensação em caso de greve” para os passageiros rodoviários e ferroviários.

A Deco aponta que, só no caso da CP, os passageiros foram afetados por 98 dias de greve entre janeiro e julho de 2023.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+