A+ / A-

Marcelo acredita que Governo vai encontrar medidas para atenuar os feitos das taxas de juro

16 set, 2023 - 04:29 • Redação

O Presidente da República manifestou particular preocupação com a situação dos portugueses que têm de empréstimos bancários.

A+ / A-

Desde o Canadá, onde está a realizar uma visita oficial, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi questionado pelos jornalistas sobre as expetativas que guarda quanto ao anúncio que se espera do Governo para apoiar as famílias com créditos à habitação.

Em resposta, o Chefe de Estado transmitiu a mensagem de que confia nas melhores soluções a serem apresentadas pelo Executivo.

“O Governo está certamente em condições de anunciar as medidas e tenho a certeza de que serão medidas que irão mitigar a má notícia que tivemos do Banco Central Europeu. É uma dor de cabeça de todo os governos e é também uma dor de cabeça do governo português e uma grande dor de cabeça dos portugueses que têm empréstimos bancários para a habitação. Um milhão e 200 mil é muita gente", sublinhou

Na passada quinta-feira, o Presidente da República considerou que a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de subir novamente as taxas de juro "é uma dor de cabeça para todos os governos" e que no plano político favorece os radicalismos e populismos.

O BCE voltou a subir as taxas de juro em 25 pontos base, para 4,50%, o que representa a décima subida consecutiva dos juros, numa altura em que o gabinete de estatísticas da União Europeia confirma que os salários em Portugal estão a crescer a um ritmo muito mais baixo do que a média do bloco europeu.

FMI aponta um “crescimento anémico” da Economia

Num plano mais global, o Fundo Monetário Internacional (FMI) está a preparar a publicação de um novo conjunto de previsões de crescimento global, antes das reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial de 9 a 15 de outubro.

Em entrevista à Agência Reuters, a diretora do FMI, Kristalina Georgieva, diz esperar que as novas previsões reflitam preocupações com o crescimento do PIB em todo o mundo, uma vez que a maioria das grandes economias ainda não atingiu as taxas de crescimento anteriores à pandemia.

Os Estados Unidos da América (EUA) são a única grande economia que recuperou o crescimento pré-pandémico, enquanto que a China está quatro pontos percentuais abaixo das tendências pré-pandémicas, a Europa dois pontos percentuais abaixo o resto do globo está três pontos percentuais abaixo, de acordo com o FMI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+