A+ / A-

Relatório de Estabilidade Financeira

Banco de Portugal alerta para risco de subida dos juros e mais desemprego

10 mai, 2023 - 15:00 • Sandra Afonso

Conheça todos os riscos à estabilidade financeira indicados no relatório que acaba de ser divulgado pelo Banco de Portugal.

A+ / A-

Menos crescimento e mais inflação, subida dos juros, crédito mais caro e mais desemprego. São alguns dos riscos que ameaçam a estabilidade financeira, segundo o relatório que acaba de ser divulgado pelo Banco de Portugal.Em causa estão os desenvolvimentos recentes em bancos norte-americanos e na Suíça, que “suscitaram um quadro geral de incerteza, que motiva uma monitorização acrescida”, diz o supervisor.

No Relatório de Estabilidade Financeira de maio, o Banco Central lembra que na última subida dos juros, o Banco Central Europeu sinalizou que está em condições de apoiar a banca, se necessário. Ou seja, caso os riscos agora assinalados se materializem.

Entre eles está o agravamento da “turbulência nos mercados financeiros”, agora circunscrita a algumas geografias. Caso se verifiquem efeitos de contágio, entre os mercados financeiros e a economia, teriam “impactos adversos sobre os custos de financiamento, a valorização dos activos e a atividade económica”.

Outra ameaça recai sobre “as contas certas” do governo, se deixarem de estar reunidas as condições favoráveis para reduzir a dívida pública. Neste cenário mais adverso, teríamos menos crescimento, inflação mais persistente e taxas de juro mais elevadas.

A Instituição liderada por Mário Centeno alerta ainda para “o potencial incumprimento das famílias mais vulneráveis”, consequência de uma “inflação mais elevada, subida das taxas de juro e potencial agravamento da taxa de desemprego”.

Pode ainda aumentar o incumprimento entre as empresas. Segundo este relatório, “dada a expetativa de subida das taxas de juro, estima-se que até final de 2023 aumente a proporção de empresas em situação de vulnerabilidade financeira”.

Todas estas condições vão acabar por ter impacto nos preços da habitação e no “valor colateral dos créditos garantidos por imóveis”. A subida das taxas de juro deverá contribuir para a “desaceleração dos preços no mercado imobiliário residencial em Portugal”.

Nesta conjuntura, o Banco de Portugal recomenda à banca que aproveite o atual contexto económico mais favorável para reforçar a resistência e resiliência. Devem “adequar as condições dos empréstimos à capacidade de pagamento dos clientes”.

Espera ainda que “mantenham políticas prudentes de constituição de imparidades e de conservação de capital, que permitam aumentar a sua capacidade de absorver perdas e de financiar a economia”, conclui.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+