Tempo
|
A+ / A-

Poupança

Certificados de aforro mantêm-se mais atrativos, mas há bancos a aproximarem-se

08 mai, 2023 - 16:14 • Sandra Afonso

Apesar de 2% ser uma percentagem atrativa, é necessário analisar bem a remuneração, porque pode ter diferentes taxas de rendimento, variar consoante o ano ou o montante, ser fixa ou crescente, e até depender da contratação de outros produtos.

A+ / A-

Os certificados de aforro são mais atrativos em termos de poupança, mas os bancos estão a aproximar-se em termos de oferta.

Entre estes dois instrumentos de poupança seguros, as tradicionais contas bancárias a prazo ou os primeiros certificados emitidos pelo Estado, a oferta estatal continua a ser a que melhor remunera as poupanças.

É a conclusão da última análise da DECO Proteste, Associação de Defesa do Consumidor, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter voltado a subir as taxas de juro.

Há aqui alguns pormenores a ter em conta, como o facto de os Certificado de Aforro já terem atingido a remuneração máxima possível. Em março, a taxa-base chegou ao teto de 3,5% brutos, ou seja, em termos líquidos rende 2,5%. Ainda assim, esta percentagem continua a superar os depósitos a prazo.

Contraofensiva da banca tem armadilhas

Os bancos têm lançado novas contas em resposta à subida da remuneração dos Certificados de Aforro, que mais não é do que a aplicação automática do mecanismo de cálculo que se baseia na atualização das taxas diretoras, decididas pelo BCE.

Estas novas contas oferecem, muitas vezes, taxas de juro acima de 2%. Contudo, a Associação alerta que é preciso olhar para as “entrelinhas”, para distinguir as melhores escolhas.

Apesar de 2% ser uma percentagem atrativa, é necessário analisar bem a remuneração, porque pode ter diferentes taxas de rendimento, variar consoante o ano ou o montante, ser fixa ou crescente, e pode até depender da contratação de outros produtos.

Outro dado importante é o prazo, porque estes juros estão limitados e as datas de início e de vencimento do capital aplicado podem variar, geralmente, entre 1 a 5 anos.

Os bancos têm ainda regras diferentes para a mobilização dos depósitos, deve confirmar as regras para resgates antecipados, se necessário.

Por fim, confirme se é exigido um montante mínimo ou máximo para a abertura de conta.

António Ribeiro, especialista em assuntos financeiros da DECO Proteste, alerta que “estas novas contas servem, sobretudo, para aliciar novos clientes – e fazem-no com um discurso muito focado nas taxas máximas oferecidas”.

Neste momento, as contas são fáceis de fazer. “Os Certificados de Aforro são, atualmente, a melhor aplicação de poupança”, diz este especialista. “Com boas perspetivas de rendimento”, garante.

No entanto, o mercado não é estático. A DECO Proteste também admite que “nos próximos meses, é provável que as taxas dos depósitos, num pequeno grupo de bancos, se aproximem da remuneração dos Certificados de Aforro”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+