A+ / A-

CGD nega perdão de dívida ao deputado socialista Carlos Pereira

14 abr, 2023 - 13:49 • Diogo Camilo

Banco confirma que não houve perdão de divida e que foi "totalmente ressarcido do capital que emprestou acrescido dos juros".

A+ / A-

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) negou esta quinta-feira qualquer perdão de dívida ao deputado socialista Carlos Pereira, que anunciou a saída da comissão de inquérito à gestão da TAP Carlos Pereira após a sua participação numa reunião com assessores governamentais e a presidente executiva da TAP na véspera de uma audição parlamentar.

“A CGD confirma que não houve perdão de divida, pois o acordo foi efetuado pelo valor que, à data, considerou legalmente devido. No acordo, a CGD foi totalmente ressarcida do capital que emprestou acrescido dos juros à taxa supletiva legal”, refere em comunicado o banco.

A Caixa esclarece ainda que o crédito em causa resulta do incumprimento de uma empresa que veio a ser declarada insolvente, e que o processo correspondente veio a encerrar por insuficiência de bens, sem qualquer pagamento aos credores.

A CGD indica ainda que, por estar ao abrigo do sigilo bancário, não pode comentar os detalhes dos seus clientes, mas que obteve autorização de Carlos Pereira para a divulgação da situação.

O agora ex-coordenador do PS na comissão de inquérito à gestão política na TAP anunciou esta sexta-feira que a saída do órgão parlamentar serve para acabar com o "clima de suspeição", tendo negado um perdão de dívida por parte da Caixa Geral de Depósitos, acrescentando ser "falso que tenha havido um perdão", favorecimentos ou incompatibilidades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+