Tempo
|
A+ / A-

Corrida aos certificados de aforro do Estado. Juros mais altos na base da procura

24 jan, 2023 - 12:47 • Olímpia Mairos

Entre entradas e saídas de dinheiro, o saldo líquido de todos os certificados fixou-se em 4,5 mil milhões de euros, o triplo do esperado pelo Ministério das Finanças.

A+ / A-

É o que se pode chamar uma autêntica corrida aos produtos de aforro do Estado.

O Jornal de Negócios escreve esta terça-feira que, entre entradas e saídas de dinheiro, o saldo líquido de todos os certificados fixou-se em 4,5 mil milhões de euros, o triplo do esperado pelo Ministério das Finanças.

A aposta nestes produtos nunca foi tão evidente e significativa por parte das famílias. E, na base deste impulso, está a atratividade das remunerações dos certificados de aforro, graças à remuneração indexada à Euribor a três meses.

A opção das famílias por estes produtos reflete-se, por isso, no montante total aplicado nos dois certificados que está a crescer há nove meses, tendo subido 1,6 mil milhões de euros só em dezembro, altura que as famílias receberam o subsídio de Natal.

De acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal, o total de certificados de aforro e certificados do Tesouro fechou 2022 nos 34.868,91 milhões de euros, representando um aumento de 4.551,37 milhões de euros face ao fim de 2021.

A preferência dos portugueses tem recaído, sobretudo, nos certificados de aforro que, devido à escalada da Euribor, os juros rondam os 3,5%, tendo, por isso, ultrapassado, em outubro, os certificados do Tesouro, o que não acontecia desde o início de 2017.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+