Tempo
|
A+ / A-

Banco de Portugal prevê abrandamento da economia em 2023

16 dez, 2022 - 13:34 • Sandra Afonso , com redação

Supervisor afasta o cenário de uma recessão e antevê uma descida da inflação, alertando para a necessidade de se continuar a reduzir a dívida pública.

A+ / A-

O Banco de Portugal reviu em alta o crescimento para a economia portuguesa este ano, e aponta agora para 6,8%, acima da estimativa do Ministério das Finanças (6,5%), mas 2023 haverá um forte abrandamento.

Segundo dados avançados nesta sexta-feira pelo governador do Banco de Portugal, na apresentação do Boletim Económico de dezembro "a estimativa para 2022 é de 6,8%, 1,5% no ano que vem e uma recuperação para valores próximos de 2% em 2024 e 2025."

Isto significa, disse Mário Centeno, que, "com exceção do ano 2020, desde 2016, Portugal converge com a média da área do euro."

Para a inflação, o supervisor antevê um abrandamento. "Nós vamos passar de uma inflação trimestral de 10% no quarto trimestre de 2022 para 3,7% no final de 2023." Posteriormente, a um ritmo, "obviamente mais lento, no final de 2025, teremos a inflação homóloga no quarto trimestre em 1,7%", revelou Centeno.

O governador do Banco de Portugal afastou ainda um cenário de recessão no país, a menos que os riscos se confirmem.

"Para já, as previsões indicam que haverá crescimento. "A dívida dever-se-á continuar a reduzir, isto é quase um objetivo nacional, nas nossas projeções é exatamente isso que acontece, e vamos atingir valores da dívida, segundo as nossas projeções em 2025 inferiores a 100% e mais baixos do que 2010."

Centeno avisou ainda o governo que as medidas de apoio à economia devem ser temporárias e focadas em quem mais precisa.

A taxa de desemprego deverá manter-se estável entre 2023 e 2025.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+