Tempo
|
A+ / A-

Crédito à habitação. Bancos têm 45 dias para verificar taxas de esforço e ver clientes elegíveis para renegociação

03 nov, 2022 - 20:10 • Lusa

Diploma aprovado em Conselho de Ministros prevê que, numa situação em que o devedor atinge uma taxa de esforço de 50%, o banco tem de avançar para uma renegociação do crédito, sem que para tal seja necessário estar a avaliar o que acontecia um ano antes, ou quando contratou o crédito.

A+ / A-

Os bancos vão dispor de 45 dias para analisar a taxa de esforço dos clientes face aos novos patamares que implicam uma negociação dos créditos à habitação e verificar quais são elegíveis.

Este prazo costa do diploma aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros que define as situações em que a renegociação do empréstimo deve ocorrer e o leque de soluções possível para mitigar o impacto da subida das taxas de juro no rendimento líquido das famílias com créditos.

O diploma, afirmou o secretário de Estado do Tesouro, João Nuno Mendes, foi trabalhado com o Banco de Portugal, tendo também havido consulta à Associação Portuguesa de Bancos (APB), acrescentando que “os bancos terão 45 dias para rever a posição de 'stock' relativamente à posição do esforço e aos patamares do esforço” e encontrar a “população elegível” e espoletar “os processos negociais quando existe essa evidencia de dificuldades [em pagar as prestações]”.

Numa situação em que o devedor atinge uma taxa de esforço de 50%, o banco tem de avançar para uma renegociação do crédito, sem que para tal seja necessário estar a avaliar o que acontecia um ano antes, ou quando contratou o crédito.

A estes casos, o diploma junta outros patamares de esforço, a partir dos quais essa renegociação deve ser espoletada, nomeadamente quando a taxa de esforço (ou seja a parcela de rendimento usada para pagar empréstimos à habitação e ao consumo) supere os 36% ou quando se verifique um agravamento de 5 pontos percentuais desta taxa.

Entre as soluções que podem ser usadas na renegociação estão o alargamento do prazo do crédito, a consolidação de créditos, a realização de um novo crédito ou a redução da taxa de juro durante um determinado período, segundo precisou João Nuno Mendes.

Este processo não implicará o pagamento de comissões nem de Imposto do Selo.

O secretário de Estado adiantou ainda que numa situação que passe pelo alargamento do prazo, o cliente terá a opção de, durante cinco anos, retornar ao prazo que inicialmente tinha contratado, assim que veja a sua situação financeira ser restabelecida.

As medidas agora anunciadas vigoram até ao final de 2023 e abrangem contratos de crédito para habitação própria e permanente até 300 mil euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+