Tempo
|
A+ / A-

ASAE abre 17 processos-crime contra super e hipermercados por discrepância de preços

02 nov, 2022 - 08:48 • Anabela Góis

As situações irregulares foram detetadas em todos o país.

A+ / A-

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) abriu 17 processos-crime contra super e hipermercados por discrepância entre os preços marcados e os preços efetivamente cobrados.

As situações irregulares foram detetadas em todos o país e comunicadas ao Ministério Público, por incorrerem num ilícito criminal.

À Renascença, o inspetor-geral da ASAE revela que em causa estão, sobretudo, produtos alimentares. “Fizemos fiscalizações em cerca de três centenas de supermercados e hipermercados em todo o país, onde detetamos algumas situações de irregularidades que entram dentro do conceito da especulação objetiva - um desvio do preço entre o que está fixado e o preço de caixa que passa (mais alto)”.

Pedro Portugal Gaspar adianta que “o desvio entre o preço marcado e o que passa na caixa tem variações em alguns casos superiores a 55%”, sendo que em 85% destas situações foram registadas na área alimentar, enquanto as restantes em produtos de higiene.

“Estamos a falar de produtos como arroz, cereais, massas e carne, mas o peso maior foi, de facto, no cabaz alimentar não diria básico, mas essencial.”

O inspetor-geral da ASAE diz que as operações de fiscalização vão continuar e também irão “aprofundar” para ver se houve não intenção ou se é uma simples negligência, pois como é um artigo de promoção, podia ainda não estar devidamente assinalada na caixa. “Tendo em conta a natureza dos operadores económicos é evidente que são locais de maior afluência de consumidores e, portanto, um erro desses pode ter uma dimensão económica alta da soma de muitos milhares.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    02 nov, 2022 ÍLHAVO 09:26
    É meter na cadeia e multar pesadamente toda essa cambada que detém esses mercados par ROUBAR, ... armados em empresários honrados!

Destaques V+