A+ / A-

Shell continua a comprar petróleo à Rússia

06 mar, 2022 - 17:07 • Redação

Multinacional diz que a decisão foi difícil, mas que não tinha alterativa. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia perguntou se o petróleo russo não cheira a sangue ucraniano.

A+ / A-

A gigante petrolífera Shell defendeu a decisão de comprar petróleo russo, apesar da invasão e bombardeamentos à Ucrânia.

Em comunicado, defendeu que a decisão de comprar o combustível com desconto foi "difícil".

Confirmou que havia adequirido uma carga de petróleo bruto russo na sexta-feira, mas "não tinha alternativa".

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, criticou a empresa de energia, questionando no Twitter: "O petróleo russo não cheira a sangue ucraniano para vocês?"

Embora a compra não viole quaisquer sanções introduzidas pelos países ocidentais, Kuleba pediu às empresas que continuem a pressionar a Rússia.

Um porta-voz da Shell disse, no entanto, que a empresa está a tentar manter o fornecimento de combustíveis e, neste caso, não tinha fornecedores alternativas de petróleo para chegarem à Europa a tempo.

Em comunicado, a empresa disse que continua "chocada com a guerra na Ucrânia" e que interrompeu a maioria das atividades envolvendo petróleo russo, mas acrescentou que a situação com os fornecimentos é "altamente complexa".

O petróleo russo atualmente representa cerca de 8% da quota da empresa.

Uma das refinarias da Shell, que produz diesel e gasolina e outros produtos, também está entre as maiores da Europa.

“Para ser claro, sem um fornecimento ininterrupto de petróleo bruto às refinarias, a indústria de energia não pode garantir o fornecimento contínuo de produtos essenciais para as pessoas, em toda a Europa, nas próximas semanas”, disse o porta-voz.

O mesmo responsável diz que a empresa não tomou esta decisão de “ânimo leve” e diz compreender “contestação que ela pode provocar".

A empresa também disse que tentará escolher alternativas ao petróleo russo "sempre que possível" e que os lucros do petróleo russo irão para um fundo dedicado destinado a ajudar as pessoas na Ucrânia.

Isto ocorre logo após a empresa anunciar que encerraria todas as “joint ventures” com a empresa de energia russa Gazprom após a invasão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    06 mar, 2022 Lisboa 19:42
    Pena é terem saído de cá. Queria ter o prazer de boicotar todos os produtos que vendem, como tenciono fazer a produtos Chinas, e quejandos que ou alinharam na invasão ou não a condenaram.

Destaques V+