Tempo
|
A+ / A-

Finanças

Autoridade Tributária vai reforçar inspeção no terreno

07 set, 2022 - 12:14 • Lusa

Reforço é “previsível que aconteça em função da retoma da atividade económica” no pós pandemia, diz secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

A+ / A-

A presença da inspeção tributária da AT junto dos contribuintes vai ser reforçada ao longo deste ano, disse esta quarta-feira o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

“A inspeção, que nunca esteve parada, voltará naturalmente a ter uma presença mais visível junto dos agentes económicos ao longo deste ano”, disse o secretário de Estado, salientando que, “ultrapassados os constrangimentos da pandemia”, será “natural que assistamos este ano a uma maior presença da inspeção no terreno”.

António Mendonça Mendes, que está a ser ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças sobre o relatório sobre o combate à fraude e evasão fiscais e aduaneiras de 2021, afirmou “que esse reforço é “previsível que aconteça em função daquilo que é a retoma da atividade económica”.

Em causa estarão ações mais viradas para a sensibilização do cumprimento e de informação junto dos contribuintes e verificação do cumprimento nomeadamente dos sistemas de faturação.

Segundo o relatório, a inspeção tributária realizou 22.098 ações de comprovação e verificação em 2021, menos 14,9% do que no ano anterior, e 22,8% foram referentes a contribuintes particulares.

O documento detalha que, daquele total de 22.098 ações, foram realizadas 17.056 ações que incidiram sobre pessoas coletivas (77,2%) e 5.042 ações referentes a pessoas singulares (22,8%).

Ao logo do ano passado, o fisco realizou ainda 4.769 ações de inspeção externas direcionadas a empresas, a que se somaram cerca de 44.700 ações de controlo preventivo, e que visaram nomeadamente recolhas de informação, ações conjuntas com outros organismos da administração pública, controlo de bens em circulação e análise de reembolsos de IVA.

Somadas, todas estas ações ascendem a 66.791, o que traduz um decréscimo de 6,9% face às 71.741 contabilizadas em 2020.

No decurso dos procedimentos inspetivos realizados foram registadas correções e regularizações voluntárias no valor de 1.326 milhões de euros, sendo que 620 milhões (ou 46,7%) são relativas a correções realizadas pela Unidade de Grandes Contribuintes (UGC), o que traduz um aumento face ao peso de 44,7% registados em 2020.

Mendonça Mendes disse ainda que as ações inspetivas não são o único meio de dissuasão da evasão, sublinhando que o sistema de alertas levou à regularização voluntária de cerca de 600 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+