Tempo
|
A+ / A-

​Quanto pode poupar no mercado regulado de gás? Governo fez as contas

26 ago, 2022 - 18:29 • Sandra Afonso

Recorrendo ao simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), o Ministério do Ambiente e da Ação Climática indica agora quanto os consumidores de gás natural podem poupar ao fim do mês no mercado regulado.

A+ / A-

O Governo fez as contas a quanto as famílias e os pequenos negócios poderão poupar com a mudança para o mercado regulado de gás natural.

Depois de a EDP Comercial ter anunciado um aumento médio da fatura do gás a partir de outubro, e de a Galp admitir que também vai atualizar as tarifas do gás no mercado liberalizado, o executivo anunciou que as famílias e os pequenos negócios poderão mudar para o mercado regulado, a partir de outubro.

Recorrendo ao simulador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), o Ministério do Ambiente e da Ação Climática indica agora quanto os consumidores de gás natural podem poupar ao fim do mês no mercado regulado.

Tudo depende do tipo de consumos, mas, segundo os cálculos do Ministério do Ambiente, a partir de 1 de outubro, a fatura mensal de gás natural pode descer entre 65% a 70%.

O Governo tem em conta aumentos médios anunciados pelos comercializadores, para o mercado liberalizado, entre 150% e 190%.

Assim, uma família com dois filhos e sem aquecimento central, com um consumo anual de cerca de 290 metros cúbicos de gás, em outubro passa a pagar entre 70 e 81 euros. Se transitar para a tarifa regulada, paga apenas 25 euros, o que corresponde a uma poupança de 45 e 56 euros.

Um casal sem filhos e sem aquecimento central, pode contar com uma poupança de 25 a 31 euros com tarifa regulada. Passará a pagar 13 euros, em vez dos 38 a 44 euros mensais, no mercado liberalizado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+