Tempo
|
A+ / A-

DECO

Consumidores domésticos "não devem ficar alarmados" com subida dos preços no gás

25 ago, 2022 - 10:55 • João Cunha , Inês Braga Sampaio

Ingrid Pereira, jurista do Gabinete de Apoio ao Consumidor da DECO, explica, em declarações à Renascença, que o valor contratualizado pelos clientes domésticos tem um valor fixo e inalterável, pelo menos, até à renovação. Aí, terão de ser notificados atempadamente sobre eventual subida de preço.

A+ / A-

A DECO garante não haver razões para alarmismos após o anúncio do aumento do preço do gás feito pela EDP, que deverá ser seguido pela Galp. Segundo a associação, os aumentos não vão afetar todos consumidores ao mesmo tempo.

De acordo com a EDP, a escalada de preços vai aumentar a fatura do gás às famílias em 30 euros mensais, em média, já a partir de outubro e por um prazo de três meses. No entanto, a DECO tranquiliza os consumidores.

Em declarações à Renascença, Ingrid Pereira, jurista do Gabinete de Apoio ao Consumidor da DECO, sublinha que os aumentos não vão afetar todos consumidores ao mesmo tempo, porque o valor contratualizado pelos clientes domésticos tem um valor fixo e inalterável, pelo menos, até à renovação. Mesmo aí, haverá espaço de manobra para os clientes.

"Os consumidores domésticos não devem ficar alarmados com o anúncio deste aumento, porque muitos têm contratos com preço fixo. Portanto, durante a vigência do contrato, que normalmente é de um ano, e que se renova por igual período, e tendo sido acordado um preço fixo, o comercializador não poderá proceder a um aumento deste valor", explica.

Trinta dias antes do final do contrato, o comercializador terá de alertar os consumidores para uma eventual subida do preço. Estes podem, então, procurar novo fornecedor, "porque estamos num mercado livre".

Industriais e empresariais "vão sofrer com aumentos"


Já para os clientes industriais e empresariais, com contratos indexados ao mercado diário, o impacto da subida dos preços vai ser imediata, reconhece a DECO.

"Como estes mercados estão indexados ao mercado diário, poderão haver mudanças a curto prazo. Pensamos que estes, sim, vão efetivamente sofrer com estes aumentos", salienta Ingrid Pereira.

A propósito do anuncio do aumento de preços do gás, o Governo prepara-se para apresentar, esta quinta-feira, um conjunto de propostas e soluções. As medidas. que resultam de um trabalho conjunto com a entidade reguladora dos serviços energéticos, vão ser apresentadas pelo ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, em conferência de imprensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António
    26 ago, 2022 Porto 09:20
    Incrivel da DECO dar uma informação incorrecta, nos contratos está prevista a atualização de preços e alias à Galp já o fez 2 vezes desde Janeiro, os clientes com contrato, há mais ou menos de 12 meses, foram informados tendo 30 dias para rescindir se não concordassem. O problema é que ao mudar para outro operador, vai logo para nova tabela de preços e não recebe os preços que os clientes desse operador tem. A DECO tem obrigação de saber isso, até porque eu e diversas pessoas já reportamos essa informação a DECO, por isso esta noticias não faz qualquer sentido

Destaques V+