Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Da Europa à Ásia. ​Crise energética vai despertar "era de ouro" no nuclear?

05 ago, 2022 - 18:51 • Sandra Afonso, com Reuters

As dificuldades de fornecimento e a escalada do preço obrigaram o mundo a repensar toda a estratégia energética. Soluções que antes estavam eliminadas ou congeladas estão de novo em cima da mesa, é o caso do nuclear. Neste jogo a Europa é um peão, mas todas as peças são essenciais.

A+ / A-

Entre os maiores consumidores, a Europa ainda é a mais resistente, mas já são visíveis cedências. A própria União Europeia já declarou os investimentos em energia nuclear como favoráveis ao clima, o que permite libertar financiamento público e privado para novos projetos na área.

Neste momento, há apenas algumas centrais nucleares em construção, mas França já tem planos para avançar com “14 novos reatores até 2050”, pelo menos. O governo francês está em negociações com o grupo Eletricite de France SA, para gerir o maior operador nuclear da Europa.

A Alemanha, que está a sofrer o maior impacto com a redução do fornecimento do gás russo, deverá prolongar a atividade das três centrais nucleares do país.

Já depois da invasão da Ucrânia, a Bélgica chegou a um princípio de acordo com o grupo francês Engie para explorar por mais 10 anos a central nuclear.

No Reino Unido, o governo deu luz verde em julho para a construção de uma nova central nuclear, no sudeste de Inglaterra. Será o segundo projeto novo em duas décadas. A empresa conta que até 2023 fique fechada a questão do financiamento.

Ásia: a mais necessitada

Alvos de crises sucessivas, a Europa e os Estados Unidos vão precisar de algum tempo para recuperar. Segundo a consultora Mackenzie, "Cerca de 80% do crescimento da procura de energia nos próximos anos será na Ásia, dada a deterioração económica na Europa e nos EUA".

Esta necessidade deverá relançar o nuclear. Esta energia viveu anos dourados após a crise do petróleo, na década de 1970. Agora o nuclear tem mais obstáculos para ultrapassar, tem de enfrentar a oposição de políticos e organizações ambientalistas e não-governamentais, além da segurança e do financiamento.

Mesmo assim, Alex Whitworth, chefe de energia e pesquisa renovável na Ásia da consultoria Wood Mackenzie, acredita que "se os preços dos combustíveis fósseis permanecerem altos por um período de três a quatro anos, isso seria suficiente para lançar uma era de ouro do desenvolvimento nuclear, especialmente na Ásia, porque é onde eles são mais sensíveis ao preço e porque há mais necessidade".

A Agência Internacional de Energia (AIE) também defendeu, no último mês, que o mundo precisa desta resposta. Segundo a AIE, a capacidade nuclear global tem de duplicar até 2050 para se atingirem metas líquidas de zero, para alimentar veículos elétricos e produzir combustíveis não fósseis, como hidrogénio e amónia, para reduzir as emissões da indústria pesada.

Na Ásia-Pacifico, os novos líderes já estão a preparar-se para as necessidades energéticas a curto prazo. Uma mudança que não fica limitada ao governo.

Segundo Paul Stein, presidente da Rolls-Royce SMR, uma unidade da Rolls-Royce, “novas tecnologias, como pequenos reatores modulares (SMR), mais rápidos de construir e menos onerosos do que as unidades convencionais, estão a ser discutidas em Singapura, nas Filipinas e no Japão”.

"As economias fortemente industrializadas do Extremo Oriente precisam tanto, talvez ainda mais, de um rápido aumento da energia nuclear, tanto quanto a Europa industrializada e os Estados Unidos", acrescentou Paul Stein.

Do ponto de vista do custo, em média, a eletricidade gerada pelo nuclear fica a menos de metade do preço, se comparada com a eletricidade produzida com gás natural e fica em linha com o carvão.

Argumentos que alimentam os novos projectos, em construção desde 2017, de reatores chineses e russos. As sanções a Moscovo, após a invasão à Ucrânia, atrasaram mas não travaram as operações.

A atrapalhar estes empreendimentos estão também as questões da segurança. O desastre na central japonesa Fukushima obriga a revisões adicionais de segurança, o que tem implicado custos adicionais, acrescidos com a pandemia.

Exemplo disso, o projecto Hinkley Point C da EDF, em construção no Reino Unido, que vai começar a gerar energia com uma década de atraso e um rombo no orçamento inicial. Nos EUA, dois reatores já acumulam um atraso de seis anos e os custos duplicaram.

EUA: entre o passado e o futuro

Seis mil milhões de dólares. Foi o valor aprovado no último ano pelo Presidente norte-americano, Joe Biden, só num programa para apoiar o setor nuclear, o “Civil Nuclear Credit”. Não impediu o fecho da central do Michigan, mas pode ir a tempo de manter “Diablo Canyon”, na Califórnia.

Os EUA têm mais reatores do que qualquer outro país, mas têm vindo a perder unidades, devido aos custos de segurança e à competição com as renováveis e o gás natural. Em dez anos, passaram de 104 reatores para 92, segundo a Reuters.

No final de julho foi anunciado um acordo no Senado que pode ajudar a manter as antigas centrais e construir novos reatores, mais avançados. O objetivo é produzir eletricidade com “emissão zero” e combustível para os reatores nucleares, que é normalmente importado da Rússia. Esta é agora uma decisão política e passa pelo congresso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    05 ago, 2022 Lisboa 19:10
    E por cá, se houvesse reindustrialização, em vez de apostarem todas as fichas no Turismo, e também rasgo de visão, perceberiam que as Renováveis podem dar uma ajuda até considerável, mas são inúteis quando o vento não sopra, Sol não há, Seca a deixar barragens abaixo do mínimo. Como as térmicas a carvão fecharam antes de haver verdadeira alternativa e o Hidrogénio Verde de que se dizem maravilhas, não está disponível e pode não ser a solução mágica de que falam, a solução é repensar o nuclear, mediante construção de pequenos e eficazes reatores que forneçam eletricidade 24 h/ dia, 7 dias por semana, independentemente de "ventos e marés". Mas... Cá? Preferimos ser o "Bom Aluno" e pagar importação de eletricidade a Espanhas e Franças...

Destaques V+