Tempo
|
A+ / A-

Governo revê em baixa défice para este ano para 1,9% do PIB

25 mar, 2022 - 12:19 • Lusa

Portugal já cumpriu as regras de disciplina orçamental em 2021, apesar de se manterem suspensas, e o Governo espera uma redução do défice este ano 1,3 pontos percentuais mais baixa do que estimava em outubro.

A+ / A-

O Governo reviu em baixa esta sexta-feira a estimativa do défice orçamental deste ano para 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo a informação enviada a Bruxelas.

No Procedimento por Défice Excessivo, divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a previsão do défice orçamental para 2022 é de 1,9%, abaixo dos 3,2% previstos na proposta do Orçamento do Estado para 2022 chumbada, entregue em outubro.

"Para o ano corrente (2022), as estimativas da capacidade/necessidade líquida de financiamento, da dívida bruta e do PIB nominal são da responsabilidade do Ministério das Finanças, tendo por base o cenário macroeconómico e orçamental que será apresentado no Programa de Estabilidade de 2022", refere a nota do INE.

O INE divulgou hoje que o défice das Administrações Públicas, em contabilidade nacional, caiu para 2,8% do PIB em 2021, abaixo da meta oficial do Governo de 3,2%, depois de ter disparado para 5,8% em 2020.

Portugal já cumpriu as regras de disciplina orçamental em 2021, apesar de se manterem suspensas, e o Governo espera uma redução do défice este ano 1,3 pontos percentuais mais baixa do que estimava em outubro.

As novas previsões do Governo passam a ser das mais otimistas entre as projeções conhecidas, apenas superadas pela estimativa de 1,6% do PIB do Conselho das Finanças Públicas, que, contudo, fez cálculos num cenário de políticas invariantes. Já o Fundo Monetário Internacional prevê um défice de 3% do PIB e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico de 2,4%.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+