Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Empresas portuguesas têm 13.600 ofertas de trabalho para refugiados

07 mar, 2022 - 19:16 • Lusa

Propostas são, essencialmente, nas áreas tecnológicas, restauração e hotelaria, setor social, transportes e construção civil.

A+ / A-

Veja também:


A plataforma criada pelo Governo para reunir ofertas de trabalho de empresas para refugiados ucranianos em Portugal já recolheu 13.600 propostas de "todo o território", disse esta segunda-feira a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

"Hoje de manhã, tínhamos 13.600 ofertas de emprego por parte de empresas que colocaram na plataforma do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) a sua vontade de contratar cidadãos ucranianos", disse à agência Lusa Ana Mendes Godinho à margem de uma visita ao local onde será instalado o futuro porto seco, adiantando que as propostas são essencialmente nas áreas tecnológicas, turismo (restauração e hotelaria), no setor social, nas áreas dos transportes (motoristas) e na construção civil.

"São ofertas em todo o território [nacional]. Praticamente em todos os concelhos temos propostas de emprego" para cidadãos ucranianos, afirmou.

Segundo a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o trabalho seguinte consistirá na "articulação conjunta" entre a Segurança Social e o IEFP, também em função das pessoas que se estão a registar para a proteção internacional.

Essas pessoas serão contactadas para que seja feito "o encontro entre as ofertas de emprego" e "as características e os perfis de cada uma".

Ana Mendes Godinho disse que o trabalho das Câmaras Municipais "é fundamental para garantir que esta articulação se faz da melhor forma", nomeadamente em relação ao alojamento.

A governante observou que o povo português tem a "enorme capacidade de acolher bem, de estar sempre de braços abertos" e "têm sido extraordinárias" as manifestações de solidariedade que têm chegado "das várias dimensões, seja de câmaras, seja de associações, seja da sociedade civil".

"É fundamental, agora, cada vez mais, esta articulação a nível local (...) para um acolhimento integrado das pessoas, que já está a acontecer. É preciso é conseguirmos acolher bem e fazer este encontro entre as necessidades das pessoas e as respostas que estão a ser dadas a nível local", rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    07 mar, 2022 Eu 22:08
    E tencionam pagar-lhes condignamente, ou vamos ter uma Odemira 2.0 / Padaria Portuguesa?

Destaques V+