Tempo
|
A+ / A-

​Subida do AUTOvoucher não chega. É preciso “uma diminuição da carga fiscal”

07 mar, 2022 - 13:29 • Carla Fino , Cristina Nascimento

Vice-presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis diz que vai acentuar-se a diferença de preços entre Portugal e Espanha.

A+ / A-

O vice-presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (Anarec) considera que é necessária uma redução da carga fiscal no setor de forma a mitigar a atual escala de preços.

Em declarações à Renascença, João Durão diz que a subida do AUTOvoucher de cinco para 20 euros mão chega, classificando-a como uma “medida avulso”.

“Aqui o que tinha de acontecer, sem dúvida nenhuma, era uma diminuição da carga fiscal porque a carga fiscal é pesadíssima”, argumenta.

João Durão acrescenta que, neste cenário de subida de preços, vai acentuar-se a diferença com Espanha.

“Nós subimos os tais 14 ou 15 cêntimos, em Espanha se calhar subiram 10, mais diferença vai haver, mais peso vão levar os nossos impostos para Espanha”, assegura.

Nestas declarações, João Durão diz aguardar com expectativa a possibilidade de diálogo com o governo, “de maneira que, todos em conjunto, consigamos chegar a um entendimento”.

João Durão entende que o “momento de transição” do Governo não é favorável a um encontro rápido, mas reforça a necessidade “de sentar e ver o que se pode fazer”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Candeias
    07 mar, 2022 Leiria 14:30
    Todos queremos pagar menos de impostos, mas que nos expliquem onde depois o Estado vai buscar dinheiro para pagar cada vez mais tanto o cidadão comum como os privados, Saúde, desempregados, subsídios ás empresas etc.etc.etc. Até hoje não ouvi um político ou empresário apontar onde o estado pode cortar, exigir que paguemos menos de impostos é bonito dizer onde cortar é que nenhum dos que exige a descida de impostos nos diz, se quero pagar menos de impostos? Claro que quero pagar menos de impostos.

Destaques V+