Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

União Europeia com novo recorde de inflação na energia. Portugal tem das taxas mais baixas

25 fev, 2022 - 17:22 • Lusa

A inflação na energia na União Europeia atingiu, em janeiro, nível mais alto de sempre: 27%. Portugal consegue segunda taxa mais baixa, de acordo com o gabinete de estatísticas comunitário.

A+ / A-

A taxa de inflação na energia ascendeu a um valor recorde de 27% na União Europeia (UE) em janeiro, quando os preços também bateram máximos, registando Portugal a segunda mais baixa taxa de inflação energética, segundo o Eurostat.

A informação foi avançada esta sexta-feira pelo gabinete estatístico comunitário, o Eurostat, que avança que “a inflação anual da energia na UE atingiu 27% em janeiro de 2022, continuando a tendência ascendente”.

“Após a taxa mais baixa em cinco anos, em maio de 2020 (-11%), a inflação energética começou a aumentar, mas continuou a apresentar taxas negativas até fevereiro de 2021, variando entre -9% e -1% e, a partir de março de 2021, a inflação energética foi positiva e aumentou quase continuamente, atingindo 26% em novembro de 2021 e 27% em janeiro de 202”, elenca o Eurostat.

Assim, o valor registado em janeiro foi “a taxa de inflação da energia mais elevada desde que o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor foi publicado pela primeira vez, em 1997”, acrescenta.

Por Estados-membros da UE, o gabinete estatístico revela que Portugal – ao mesmo patamar que a Croácia – registou a segunda taxa mais baixa de inflação na energia, de 12%, dois países apenas superados por Malta, que teve uma percentagem de 0%.

Em sentido inverso, as maiores taxas de inflação energética registaram-se na Bélgica (67%) e Holanda (58%), Lituânia (43%), Estónia (41%) e Grécia (40%).

Por subcomponentes da energia, o gás atingiu o seu ponto mais alto em janeiro de 2022 com quase 41%, um aumento de 13,5 pontos percentuais em relação ao mês anterior e significativamente acima de outras fontes de energia, como o combustível (26%) e a eletricidade (24%).

A contribuir para a elevada inflação estão os custos energéticos e os problemas nas cadeias de abastecimento globais, por questões como a situação geopolítica mundial, numa altura em que a tensão entre a Rússia e a Ucrânia se intensifica e causa novas perturbações no fornecimento de gás russo à Europa.

A taxa de inflação homóloga da zona euro alcançou um novo máximo de 5,1% em janeiro, confirmou o Eurostat na passada quarta-feira, indicando que Portugal registou a segunda mais baixa (3,4%) entre os Estados-membros da UE.

O gabinete oficial de estatísticas da UE confirmou assim a estimativa rápida divulgada no início do mês, que já apontava para um valor recorde da taxa de inflação no espaço da moeda única em janeiro, de 5,1%, o mais elevado desde o início da série, em 1997, e que contrasta com a taxa de 0,9% registada um ano antes, em janeiro de 2021, e 5,0% de dezembro do ano passado.

A tendência de subida de preços mantém-se desde o segundo semestre de 2021, impulsionados pelo setor da energia, onde a taxa de inflação subiu 2,80 pontos percentuais em janeiro.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+