Tempo
|
A+ / A-

Contributo do futebol português para o PIB sobe 11% para 550 milhões na última época

19 fev, 2022 - 13:05 • Lusa

A Liga Portugal e as 34 sociedades desportivas representadas neste estudo da consultora Ernst & Young pagaram mais 2,5% de impostos ao Estado, em termos homólogos, num total de 192 milhões de euros, com o volume de negócios global a ascender a 792 milhões de euros.

A+ / A-

O futebol profissional português contribuiu com 550 milhões de euros para o Produto Interno Bruto (PIB) na temporada de 2020/21, mais 11,3% face à época anterior, segundo o Anuário do Futebol divulgado pela consultora Ernst & Young (EY).

“A indústria do futebol mostrou a sua resistência e, mesmo numa época completamente marcada pela pandemia de covid-19, com os estádios vazios e com muitas receitas perdidas, conseguiu atingir os melhores resultados de sempre, aumentando o seu contributo para a geração de riqueza e criação de emprego do país”, destacou à Lusa Miguel Farinha, ‘partner’ da EY.

Durante esse período, a Liga Portugal e as 34 sociedades desportivas representadas neste estudo pagaram mais 2,5% de impostos ao Estado, em termos homólogos, num total de 192 milhões de euros, com o volume de negócios global a ascender a 792 milhões de euros.

Este desempenho foi possível porque, apesar do contexto pandémico, que levou a uma redução substancial nas receitas de bilhética, o setor conseguiu compensar com outras fontes de rendimentos, resultando num aumento da receita total, sobretudo, graças ao aumento de 47 milhões de euros dos rendimentos de direitos televisivos, e do acréscimo de 11 milhões de euros decorrente da presença e desempenho nas competições europeias, nomeadamente a presença do FC Porto nos quartos de final da Liga dos Campeões da UEFA.

De acordo com os dados do Anuário, elaborado em parceria com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), na última temporada o futebol profissional atingiu ainda uma empregabilidade recorde com 3.729 postos de trabalho, uma subida de 4,2% em relação à época 2019/2020.

“Este anuário que aqui se apresenta mostra, com a frieza dos números, o poderio desta indústria, mesmo em época tão atípica e limitativa de receitas. As privações mostraram o tanto de que somos capazes, o exemplo que conseguimos ser e como as adversidades podem transformar-se em oportunidades”, assinalou em comunicado Pedro Proença, presidente da Liga de clubes.

Com receitas de 16,9 milhões de euros, a Liga fechou a época passada com lucros de 777 mil euros, tendo libertado 6,2 milhões de euros para distribuir pelas sociedades desportivas.

“Os tempos são de mudança. De viragem. De aposta. O público está de volta aos estádios. A indústria voltou a carburar e não há que ter receio. O crescimento económico deve ser objetivo comum e motivo mais que suficiente para selar novas sinergias e parcerias. O futebol profissional é nisso pródigo”, salientou Pedro Proença.

Já Miguel Farinha admitiu à Lusa que as expectativas da EY para a presente temporada (2021/22) são animadoras, ainda que ressalvando que a componente da venda dos direitos dos atletas, que tem um peso de 37% nas receitas totais dos clubes, seja volátil.

"É natural que haja um novo aumento do contributo desta indústria para o PIB, são essas as nossas expectativas, até porque esta temporada houve três clubes portugueses com participação na 'Champions'", assinalou.

Mais para a frente, o responsável apontou para a importância da futura centralização da negociação dos direitos televisivos, que valem 25% das receitas, para o reforço da tendência de subida do contributo do setor.

"Na última época atingiu-se, no que toca aos direitos televisivos, o ponto mais alto de sempre, na ordem dos 200 milhões, e os estudos dizem que, com a centralização dos direitos este valor vai crescer, pelo menos, cerca de 50%, para 300 milhões de euros", avançou Miguel Farinha.

O "objetivo último" desta medida é "aumentar a competitividade do futebol português", vincou, sublinhando que "será muito mais fácil vender os direitos televisivos em bloco no mercado internacional".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+