Tempo
|
A+ / A-

Viana do Castelo. Autarquia cria site de emprego devido à falta de mão-de-obra

17 fev, 2022 - 09:05 • Olímpia Mairos

Dificuldades em recrutar trabalhadores já levaram a perda de investimentos no concelho.

A+ / A-

Para fazer face à falta de profissionais em vários setores de atividade, a Câmara de Viana do Castelo avançou com a criação de um portal na Internet que agrega informação da oferta e procura de emprego naquele concelho.

O Jornal de Notícias (JN) escreve esta quinta-feira que o "Work in Viana", criado pelo parceiro tecnológico da Câmara, a SparkelIT, está disponível desde ontem e visa suprir as dificuldades de recrutamento crescentes em setores como construção civil, indústria automóvel, hotelaria, carpintaria e metalomecânica.

Uma situação, que segundo o jornal, já levou à perda de novos potenciais investimentos.

Ora, para ultrapassar estes limites ao investimento no concelho, no portal apela-se aos empresários que divulguem as suas vagas de emprego e aos possíveis candidatos se apresentem aos lugares disponíveis.

O presidente da autarquia, Luís Nobre, citado pelo JN, justifica esta iniciativa com a necessidade de um “elemento agregador, de um nó que nos agarrasse a todos a um objetivo comum”, e destaca a importância de dar às empresas as “condições de concretizar e levar a efeito os seus projetos industriais e empresariais”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Queriam exploração
    17 fev, 2022 Agora agarrem-se ao ... 19:54
    Encontram essa mão-de-obra na Alemanha, na Inglaterra, na França e nos países para onde emigraram, porque por cá só lhes pagavam o salário mínimo ou nem isso, e queriam trabalho "máximo" de preferência com muitas "extraordinárias" de borla. Não era aqui que havia uma "empresa" cujo critério preferencial para empregar, era a predisposição dos empregados para trabalharem de graça?

Destaques V+