Tempo
|
A+ / A-

Relatório revela que Portugal “é o país da OCDE que mais vai crescer"

10 dez, 2021 - 20:40 • Lusa

"Entre 2021 e 2023, vamos crescer quase 14%", afirmou o ministro da Economia, citando um relatório da OCDE.

A+ / A-

O ministro da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, sublinhou, esta sexta-feira, que o mais recente relatório da OCDE mostra que Portugal é o país membro desta organização que “mais vai crescer nos próximos anos”.

Em Vila Nova de Famalicão, durante uma visita à fábrica de estofos para automóveis Coindu, Siza Vieira disse, ainda, que o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), hoje divulgado, destaca também o crescimento “grande e forte” das exportações portuguesas.

“O relatório da OCDE com as projeções económicas mostra que Portugal é o país da OCDE que mais vai crescer nos próximos anos. Entre 2021 e 2023, vamos crescer quase 14% e, portanto, (…) vamos estar acima dos níveis de 2019 já no próximo ano”, apontou.

Aludindo a “um cenário muito positivo”, o ministro disse que o relatório “confirma um crescimento forte da economia” portuguesa.

“A OCDE acentuou o crescimento grande e forte das exportações, ainda hoje confirmámos que entre janeiro e outubro deste ano as nossas exportações já cresceram acima dos níveis que tínhamos em 2019 e, portanto, confirma um crescimento forte da economia”, vincou.

Num estudo sobre Portugal, hoje divulgado, a OCDE considera que a pandemia desencadeou uma recessão profunda em Portugal, como noutros países, mas que a economia tem vindo a recuperar, com o apoio das políticas públicas, embora a incerteza quanto às perspetivas permaneça elevada.

Siza Vieira disse que tem de haver “uma atenção particular” aos setores de atividade mais afetados pela pandemia, mas enfatizou que o relatório da OCDE reconhece o “impacto muito positivo” das medidas entretanto tomadas pelo Governo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+