Tempo
|
A+ / A-

Caso BPP

"Foi responsabilidade minha". Rendeiro iliba mulher no caso das obras arrestadas

11 nov, 2021 - 21:43 • Redação

Ex-presidente do BPP garante que "só um erro de advogado" levou a que a sua mulher fosse, ainda, fiel depositária no caso das obras de arte arrestadas. "Como é evidente, era fiel depositária só de nome. Aliás, pensava que já não era", declarou o ex-banqueiro.

A+ / A-

João Rendeiro diz que a mulher não tem qualquer responsabilidade no caso das obras de arte arrestadas e que o envolvimento de Maria de Jesus Rendeiro deu-se por “um erro de advogado”, avança o portal SAPO24.

O ex-presidente do Banco Privado Português garante que "só um erro de advogado" levou a que a sua mulher fosse, ainda fiel depositária no caso das obras de arte arrestadas.

"Como é evidente, era fiel depositária só de nome. Aliás, pensava que já não era", declarou o ex-banqueiro que acrescentou que "um advogado foi instruído para passar a guarda dos bens para meu nome. Fê-lo num processo, mas esqueceu-se de o fazer neste. A Maria ficou apenas como fiel depositária porque, na altura, eu estava no estrangeiro".

Sobre a possível falsificação ou descaminho de obras de arte, Rendeiro diz ao SAPO24 que "o que quer que houvesse foi responsabilidade minha", recordando que no caso da Privado Financeiras (processo em que foi absolvido em Primeira Instância e, depois, na Relação) foi constituído fiel depositário durante cinco anos.

O crime de descaminho, punível com pena de prisão até cinco anos, é cometido por quem "destruir, danificar ou inutilizar total ou parcialmente ou, por qualquer forma, subtrair ao poder público a que está sujeito documento ou outro objeto móvel, bem como coisa ou animal que tiverem sido arrestados, apreendidos ou objeto de providência cautelar".

Maria de Jesus Rendeiro, detida na quarta-feira da semana passada no âmbito da operação D’Arte Asas dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e executada pela Polícia Judiciária, está em prisão domiciliária, medida de coação aplicada pelo Tribunal de Instrução Criminal (TIC), que considerou existir perigo de fuga, perigo de perturbação do inquérito/investigação e perigo de continuação da atividade criminosa.

A arguida é suspeita dos crimes de descaminho, desobediência, branqueamento de capitais e falsificação de documento.

O arresto das 124 obras em causa foi feito em 2010, há onze anos, e servia para cobrir um alegado desvio de 31 milhões de euros. Recentemente, na sequência de uma visita da Polícia Judiciária à casa onde habitava o casal, não foram encontradas 15 obras.

Enquanto isso, João Rendeiro continua em parte incerta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+