Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

OE2022. Aprovação "é problema do Governo e da esquerda", diz CIP

20 out, 2021 - 11:14 • Susana Madureira Martins com redação

Reticências de empresários e de sindicatos à entrada para reunião da Concertação Social que decorre com a presença do primeiro-ministro.

A+ / A-

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) atira para o Governo e para os parceiros do PS à esquerda a responsabilidade pela aprovação do Orçamento do Estado (OE) de 2022.

"É um problema do Governo e dos seus parceiros políticos", disse António Saraiva à entrada para a reunião da Concertação Social, desta quarta-feira.

"Nós não somos políticos, defendemos as empresas e a competitividade. Entendemos que não só ela não está defendida na proposta do Governo como veio agravar com esta discussão totalmente decontextualizada [sobre a legislação laboral] porque, na nossa opinião, ao orçamento o que é do orçamento à legislação e à concertação o que é da concertação", continuou.

Questionado sobre a possibilidade de o Governo ter abertura para alterações no plano das leis laborais, António Saraiva respondeu: "Não acredito em bruxas."

Para o presidente da CIP, a proposta do Governo de OE2022 "é negativa, obviamente".

Também reticente mostrava-se à entrada para a reunião a CGTP. A secretária-geral da central, Isabel Camarinha, diz que o OE tal como está e as anunciadas mexidas na legislação laboral não são suficientes.

"Há uma insuficiência muito grande das medidas, que não respondem aos problemas principais dos trabalhadores e do país, nomeadamente com alterações que garantam a protecçao dos trabalhadores e a dinamização da contratação colectiva, com a revogação da norma da caducidade, e a inclusão de um aumento geral dos salários e da erradicação efectiva da precariedade", declarou a dirigente.

Além de "manifestamente insufuficiente", a proposta atual "não vai à raiz dos problemas, não vai resolvê-los, não vai dar as respostas de que os trabalhadores e o país precisam".

A reunião da Concertação Social decorre com a presença do primeiro-ministro, que, na noite de terça-feira, numa iniciativa do PS, salientava a necessidade de ter um orçamento que merece ser aprovado, mas com contas certas

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+