Tempo
|
A+ / A-

Número de desempregados inscritos é o mais baixo do último ano e meio

20 out, 2021 - 13:36 • Redação

O número de desempregados está em baixa há seis meses consecutivos e desde março do ano passado que o valor não era tão reduzido.

A+ / A-

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego está em queda há seis meses consecutivos e desceu para valor mais baixo desde março do ano passado.

De acordo com os dados publicados esta quarta-feira pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), o mês de setembro fechou com cerca de 359 mil desempregados.

Trata-se de uma redução de 2,5% em relação ao mês anterior e de 12,4% em comparação com setembro de 2020, o que equivale a menos 51 mil desempregados.

Em seis meses, o número de inscritos nos centros de emprego caiu em cerca de 74 mil pessoas.

Já em comparação com o mês de agosto, houve no mês passado, uma queda de cerca de nove mil desempregados.

O IEFP constata, no entanto, que houve um aumento dos inscritos à procura de trabalho há mais de um ano: são agora 177 mil.

Para a diminuição do desemprego registado, em relação ao mês homólogo de 2020, na variação absoluta, contribuíu o grupo dos que estão inscritos há menos de um ano (-82 029) e, em sentido inverso, constata-se um aumento no desemprego dos indivíduos que permanecem inscritos há um ano e mais (+31 003).

A nível regional, no mês de setembro de 2021, o desemprego registado no País, em termos homólogos, diminuiu em todas as regiões, com destaque para as regiões do Algarve (-23,4%) e do Alentejo (-18,0%). Em relação ao mês anterior à exceção do Alentejo (+0,9) todas as regiões apresentam decréscimos no desemprego.

No que respeita à atividade económica de origem do desemprego, dos 304 167 desempregados que, no final de setembro, estavam inscritos como candidatos a novo emprego, nos Serviços de Emprego do Continente, 73,4% tinham trabalhado em atividades do sector dos “Serviços”, com destaque para as “Atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio” (que representam 30,2% do total); 19,9% eram provenientes do sector “Secundário”, com particular relevo para a “Construção” (com um peso relativo de em relação ao 6,1%); ao sector “Agrícola” pertenciam 3,9% dos desempregados.

O desemprego diminuiu, face ao homólogo de 2020, em todos os grandes setores: no "Agrícola"(-11,5%), no "Secundário" (-17,6%) e "Terciário"(-13,0%).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+