A+ / A-

João César das Neves

Baixar impostos no OE 2022? "Não estou a ver, não é essa a estratégia do Governo"

08 out, 2021 - 20:35 • Sérgio Costa , André Rodrigues

No regresso do habitual comentário de sexta-feira, o economista e professor universitário, lembra que Portugal tem "a dívida pior" do que tinha antes da pandemia. "Portanto, não estou a ver que se vá baixar impostos". Mas seria possível, "se nós usássemos o dinheiro europeu para conseguir indiretamente isso". O problema, diz, é que é "necessário alimentar aqueles que se estão a preparar para o dinheiro que aí vem". São "as pressões do costume".

A+ / A-

O economista João César das Neves afasta um cenário de redução de impostos no próximo Orçamento do Estado.

Na retoma do habitual espaço de comentário das sextas-feiras, na Renascença, o professor universitário lembra que "nós temos a dívida pior do que tínhamos quando começou este processo e estamos, agora, com um problema muito grave por parte do Estado, portanto, não estou a ver que se vá baixar impostos".

César das Neves considera, no entanto que "se devia e até podia, se nós usássemos o dinheiro europeu para conseguir indiretamente isso... Se o dinheiro da famosa bazuca fosse usado para ajudar as empresas e para promover o desenvolvimento", em vez daquilo que o economista diz serem os "grupos de pressão habituais".

Neste quadro, João César das Neves diz que a opção por não baixar impostos "é um erro", mas, ao mesmo tempo, uma inevitabilidade, "no sentido em que era necessário alimentar aqueles que se estão a preparar para o dinheiro que aí vem e isso são as pressões do costume".

"O que a economia devia ter e aquilo que a política permita que tenha são coisas muito diferentes e, portanto, a consequência disso é que vamos continuar a ter uma enorme carga de impostos. Não estou a ver que seja possível baixá-la, porque não me parece que seja essa a estratégia do Governo", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+