Tempo
|
A+ / A-

Pandora Papers “mostra o funcionamento de uma indústria de fuga aos impostos e de lavagem de dinheiro sujo”

04 out, 2021 - 10:09 • João Carlos Malta , Miguel Coelho

O consultor de políticas anti-corrupção e ex-presidente da Associação Transparência e Integridade diz que o envolvimento de líderes políticos é a demonstração de porque é tão difícil aos políticos tomarem medidas efetivas em relação as offshore.

A+ / A-

O consultor de políticas anti-corrupção e ex-presidente da Associação Transparência e Integridade, João Paulo Batalha, considera que as novas descobertas sobre o envolvimento de políticos de topo a nível mundial em esquemas relacionados com offshore “mostra o funcionamento de uma indústria aos impostos de lavagem de dinheiro sujo”.

A nova investigação do consórcio (ICIJ, na sigla em inglês), chamada "Pandora Papers", pôs a descoberto os "segredos financeiros" de 35 líderes mundiais (atuais e antigos) e de mais de 330 políticos e funcionários públicos, de 91 países e territórios, entre os quais Portugal.

Para João Paulo Batalha os novos desenvolvimentos conhecidos no domingo revelam ainda que esta indústria “captura as legislações e os estados em que o poder político é convidado a beneficiar destas estruturas”.

E acrescenta que o incentivo político para ter mecanismos que impeçam a fuga aos impostos ou até de lavagem de dinheiro sujo desaparece quando é quem lidera os estados que beneficia do esquema.

A nova investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação identificou três políticos portugueses com "segredos financeiros", políticos que o semanário Expresso diz serem Manuel Pinho, Nuno Morais Sarmento e Vitalino Canas.

O mesmo especialista diz esperar que as revelações agora conhecidas sirvam para que a mobilização dos cidadãos que “é indispensável para criar a pressão política necessária para haver reformas”.

Ainda assim teme que “as pessoas se enfastiem de tantas revelações deste tipo e acabam por se tornar indiferentes”.

Batalha afirma também que nos escândalos anteriores é frequente assistir a que vários governos anunciem medidas para combater a opacidade e fuga osa impostos, “mas depois começamos a ver, e muitos dos grandes responsáveis mundiais estão envolvidos nestes negócios e percebemos porque é que tem sido tão difícil politicamente combater estes estratagemas”.

O consultor de políticas anti-corrupção considera que o que é relevante e novo, na investigação da ICIJ, “é a quantidade de responsáveis políticos de praticamente todos os países − ministros, ex-ministros, altos funcionários públicos, chefes de estado, reis, presidentes − que vemos mencionados aqui”.

“Isso tem a relevância enorme que é a de explicar porque é que é tão difícil acabar com as offshore”, resume.

Entre os nomes referidos na investigação estão o rei Abdallah II da Jordânia, os Presidentes de Ucrânia, Quénia e Equador, o primeiro-ministro da República Checa e mais de 130 bilionários (mencionados pela revista Forbes) de países como Rússia, Estados Unidos e Turquia, bem como celebridades, líderes religiosos, membros de famílias reais ou traficantes de droga e bandidos profissionais.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    05 out, 2021 PORTUGAL 09:41
    Responda quem quiser ao seguinte: na altura o Rui Pinto foi considerado pela MAIORIA como um CRIMINOSO. Hoje, ou agora, os CRIMINOSOS são os DENUNCIADOS?

Destaques V+