A+ / A-

Pandemia fez aumentar as poupanças dos portugueses

30 ago, 2021 - 09:49 • Marta Grosso

A poupança imposta pelo confinamento e a incerteza convive ao lado da redução de rendimento para várias famílias.

A+ / A-

Os portugueses duplicaram as poupanças durante a pandemia. O dinheiro aplicado desde março de 2020 chegou quase aos 23 mil milhões de euros em junho deste ano.

As contas são avançadas nesta segunda-feira pelo jornal “Público”, segundo o qual as aplicações feitas naquele período representam um aumento de mais de 12 mil milhões em relação ao mesmo período de 2018/2019.

Em abril de 2020 – mês de maior confinamento logo após a declaração da pandemia – foram depositados 2.039 milhões de euros, quase quatro vezes mais do que em idêntico período do ano anterior, refere o jornal.

Dos que conseguiram poupar – porque muitas famílias perderam rendimento e muitos portugueses foram para o desemprego – a principal opção foi pelos depósitos, que têm vindo a bater novos recordes, tendo alcançado quase 170 mil milhões de euros, já contando com o mês de julho e segundo o Banco de Portugal.

A opção pelos depósitos versus fundos ou certificados do Estado, por exemplo, pode revelar, segundo os especialistas, “um misto de maior aversão ao risco e menor literacia financeira”.

Mas há mais razões apontadas. Pedro Bação, professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, lembra que se vive um “clima de grande incerteza” e que os outros aplicativos têm “rendibilidades relativamente baixas”.

Paulo Rosa, economista chefe do Banco Carregosa, acrescenta “a ausência de uma remuneração expressiva que motive as famílias a constituírem depósitos a prazo”, porque estes estão com “taxas de juro implícitas de quase zero”.

Segundo o “Público”, os valores nas contas à ordem nunca estiveram tão próximos do montante dos depósitos a prazo (47,2% do total em junho), num contexto de baixa inflação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+