Tempo
|
A+ / A-

Despedimento coletivo na Altice é para "sacar dinheiro" para o acionista

17 ago, 2021 - 14:47 • Lusa

Representantes dos trabalhadores foram recebidos pelo Governo. Em causa estão 204 postos de trabalho.

A+ / A-

A Frente Sindical considera que o despedimento coletivo na Altice "não tem razão" e que serve para "sacar dinheiro à custa dos trabalhadores" para o acionista, após uma reunião com representantes dos ministérios da Economia e do Trabalho.

"Este despedimento coletivo não tem razão de ser, a empresa que teve mais lucros este ano do que nos anos anteriores caminha para um despedimento coletivo porquê? É dinheiro para o acionista. [...] O objetivo deles é sacar dinheiro à custa dos trabalhadores. Não se importam nada que o trabalhador vá para o desemprego", disse aos jornalistas o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Comunicações e Audiovisual (SINTTAV), Manuel Gonçalves.

O sindicalista falava à porta do Ministério da Economia, em Lisboa, depois de uma reunião onde participou em representação da Frente Sindical, que contou também com representantes da Comissão de Trabalhadores da Altice.

Em causa está o despedimento coletivo na Altice que envolverá 204 trabalhadores, depois da decisão final do grupo, que acabou por reduzir o número, face ao inicialmente previsto de 232 pessoas.

De acordo com o dirigente sindical, a reunião serviu para os representantes dos trabalhadores manifestarem ao Governo as suas preocupações sobre um despedimento coletivo que consideram "ilegal", "criminoso", "imoral", "desumano" e "desnecessário".

"Explicámos que este despedimento está assente em duas vertentes, a vertente económica, portanto, desde que a Altice cá chegou a preocupação é angariar dinheiro para o acionista, desde que cá chegou uma das componentes do ADN da Altice é a redução de efetivos. Em seis anos, a Altice já reduziu os efetivos em mais de 50%, através de suspensões de contrato, através de rescisões por mútuo acordo, através de pré-reformas", explicou Manuel Gonçalves.

O dirigente sindical considerou que se trata de um processo político, uma vez que "a Altice tem utilizado os trabalhadores como arma de arremesso contra o Governo, contra a Anacom, com o objetivo de sacar dinheiro para o 5G".

Assim, os representantes dos trabalhadores pediram, na reunião, a atuação do Governo "no sentido de travar este despedimento enquanto é tempo", dado que, segundo comunicou a empresa ao Ministério do Trabalho, o despedimento será concretizado em 31 de outubro.

Foi ainda pedido ao Governo que altere o Código do Trabalho, "para que despedimentos destes não possam ter mais lugar". "Se isto pegar [...] vai ser um descalabro para a sociedade, são milhares de trabalhadores que vão ficar no desemprego", apontou Manuel Gonçalves.

Segundo a Frente Sindical, dos 204 abrangidos pelo despedimento coletivo, 168 aceitaram a rescisão de contrato por mútuo acordo, embora de forma "forçada".

"E porque é que é forçada? Porque a empresa diz-lhe "se aceitares a rescisão por mútuo acordo tens, por exemplo 60.000 euros". O colega que fez um acordo em maio levou, em igualdade de circunstâncias, 90.000, mas [a empresa] diz-lhe "se não aceitares os 60.000 euros para rescisão de mútuo acordo, vais para o despedimento coletivo e tens 30.000" e o trabalhador vê-se entre dois males e escolhe o menor", detalhou Manuel Gonçalves.

Adicionalmente, a Frente Sindical acusou ainda a empresa de praticar "terror laboral" há seis anos, levando os trabalhadores a quererem sair, embora tenham necessidade de trabalhar.

"Estes 168 viram-se também forçados. Era todos os dias os recursos humanos, todos os dias, todos os dias, [a dizer-lhes] "tens de dar resposta até amanhã"", acrescentou.

Os representantes dos trabalhadores da Altice aguardam agora o agendamento de uma reunião no Ministério do Trabalho e têm também esperança de virem a ser recebidos pelo primeiro-ministro, António Costa.

No dia 24 de agosto, terá lugar uma reunião com o Partido Socialista, em Lisboa.

"Nós batemos às portas todas no sentido de travar este despedimento", sublinhou Manuel Gonçalves.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+