Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Sitava também desconvoca greve na Groundforce

23 jul, 2021 - 19:14 • Lusa

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos confirma que a TAP pagou subsídios de férias e das anuidades aos trabalhadores da empresa de handling.

A+ / A-

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) anunciou esta sexta-feira que desconvocou a greve prevista na Groundforce, nos dias 30, 31 de julho e 1 de agosto, depois da confirmação da TAP do pagamento aos trabalhadores.

"Na sequência da reunião havida com o Sr. MIH [ministro das Infraestruturas e Habitação] e da posterior confirmação por parte da TAP do cumprimento imediato dos compromissos anunciados no comunicado do Ministério das Infraestruturas e Habitação, nomeadamente o pagamento dos subsídios de férias e das anuidades", e com os "claros compromissos em relação à alteração do quadro acionista da empresa que julgamos indispensáveis para a estabilização e perenidade da SPdH/Groundforce, considera o Sitava estarem reunidas as condições mínimas necessárias para que as greves anunciadas sejam desconvocadas", adiantou, em comunicado.

Para já, os sindicatos dos Trabalhadores dos Transportes de Portugal (STTAMP) e dos Trabalhadores dos Aeroportos Manutenção e Aviação (STAMA) mantêm os avisos prévios de greve em vigor para a Groundforce "até à data em que os pagamentos forem efetivamente concretizados, visto que num passado recente estes dois sindicatos já teriam chegado a acordo para o pagamento do subsídio de férias, tendo o mesmo sido recusado por parte de Alfredo Casimiro que, apesar das mudanças iminentes da estrutura acionista, à data de hoje ainda é o presidente do Conselho de Administração", adiantaram, na quinta-feira.

Estas estruturas recordaram que "encontram-se emitidos avisos prévios de greve" para o final de julho e para o mês de agosto, incluindo greve total das 00h00 do dia 30 de julho até às 24h00 do dia 31 de agosto, prolongando-se ao trabalho suplementar até ao final do ano.

Pelo contrário, os sindicatos dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA) e dos Economistas (SE) desconvocaram na quinta-feira a greve na Groundforce marcada para 31 de julho, 1 e 2 de agosto.

"Fruto da histórica greve do fim de semana passado, do qual os trabalhadores são os únicos protagonistas, foi possível, numa reunião hoje às 14:30, chegar a um compromisso com o Governo, no sentido de desbloquear, com efeitos imediatos a greve dos dias 31, 1 e 2 de agosto", informaram as estruturas sindicais, em comunicado, na quinta-feira.

Os termos da desconvocação, explicaram, são o "pagamento do subsídio de férias e das anuidades vencidas 2021, antes do processamento salarial de julho (dia 28), para todos os trabalhadores", a "garantia efetiva, e já tornada pública pelo Governo, do pagamento pontual e integral do salário de julho", bem como a "garantia efetiva, e já tornada pública pelo Governo, de que a situação acionista da Groundforce será resolvida muito em breve, ou pela venda das ações a um privado por parte do Montepio, ou por ação/intervenção do Estado Português e da TAP".

"Como em qualquer processo, a confiança tem que imperar entre os interlocutores, nem que seja numa dimensão mínima e por um bem maior", consideraram os representantes dos trabalhadores, que afirmam que "a forte mobilização de todos os trabalhadores em todos os aeroportos", na greve do fim de semana passado, "foi determinante para este desfecho".

A Groundforce conta com cerca de 1.600 trabalhadores sindicalizados, sendo o Sitava, com mais de mil, o sindicato com mais peso, seguido do STHA e do STTAMP.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+