Tempo
|
A+ / A-

Governo avança com Metrobus no Porto

06 jul, 2021 - 07:13 • Sandra Afonso

São quatro quilómetros no centro da Invicta, ligados por autocarros movidos a hidrogéneo. Um projeto de 66 milhões, que deverá estar operacional no final de 2023.

A+ / A-

O Governo vai avançar, nesta terça-feira, com o Metrobus no Porto. O BRT (Bus Rapid Transit) vai circular entre a Rotunda da Boavista (Praça Mouzinho de Albuquerque) e a Praça do Império em quase quatro quilómetros, servidos por oito paragens.

À Renascença, o ministro do Ambiente explicou que o trajeto inclui a construção de uma rotunda, no cruzamento da Boavista com a Marechal Gomes da Costa, e a supressão de uma faixa de rodagem, “quer na Praça do Império quer na Rotunda da Boavista”, para “garantir que haja sempre prioridade à passagem deste autocarro”.

O concurso para a conceção e construção é lançado nesta terça-feira e, segundo João Matos Fernandes, o projeto está orçamentado em 66 milhões de euros, já tendo verba inscrita no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Só para a obra estão previstos 45 milhões de euros. Os restantes 21 milhões destinam-se “à aquisição de oito novos autocarros, completamente silenciosos, bem desenhados, e o respetivo sistema de carregamento a hidrogénio, que não existe ainda em Portugal”, acrescenta o ministro.

Novos autocarros no final de 2023

João Matos Fernandes antecipa que esta será uma “empreitada rápida” e conta ter o Metrobus em funcionamento no final de 2023, com capacidade para transportar “4.400 pessoas por hora e por sentido”.

O ministro do Ambiente admite ainda que o modelo escolhido para este concurso “vai ser uma surpresa para o mercado – o ser de conceção/construção – pois não é comum isto ser feito no Metro do Porto”.

Matos Fernandes explica que é um projeto “simples” e que já está feito um “estudo prévio, muito detalhado, por isso, sentimos confiança para fazer desta forma”.

Por outro lado, “para andarmos mais depressa, numa obra que não tem estudo de impacto ambiental, esta é a melhor forma”, defende o governante.

Nenhuma árvore será derrubada

Há uma exceção neste concurso. São três paragens na Avenida Marechal Gomes da Costa que já estão adjudicadas, o arquiteto Álvaro Siza Vieira aceitou integrar as estações no projeto.

O ministro do Ambiente justifica o convite direto com “o particular cuidado” que o Governo quer garantir nesta intervenção específica.

João Matos Fernandes assegura ainda que, nesta avenida, quase não será notada qualquer alteração. “Não vai ser deitada nem uma árvore abaixo; o separador central mantém-se incólume”. O governante admite mesmo que a mancha verde pode “estender-se”, porque alguns cortes deixam de fazer sentido.

Mais obras a caminho

É uma das prioridades do Plano de Recuperação e Resiliência e está em andamento: a mobilidade numa perspetiva de renovação sustentável das cidades.

O Governo já lançou o concurso para a nova ponte do metro para Gaia e conta ver propostas no próximo dia 16 de julho.

O ministro João Matos Fernandes confirma ainda que foram entregues 11 propostas para a segunda linha de Vila Nova de Gaia do Metro do Porto, entre a Casa da Música e Santo Ovídeo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mário João Castro
    06 jul, 2021 São Mamede de Infesta 11:10
    Inicialmente eram 83 milhões e supostamente 12 autocarros elétricos. Agora a inovação alicerçada em hidrogénio verde vai custar apenas 66 milhões e são precisos apenas 8 autocarros , daqueles que empilham e empacotam passageiros, que no global custam 21 milhões pelo que cada viatura vai ter um custo simbólico...cerca de 2 650 000 euros! Nada que um PRR não suporte. Pedem para os cidadãos colaborarem com ideias e eu pergunto para quê? Se os Sábios governantes tudo sabem e conhecem sobre lobbies verdes ou de gás natural. Sugeri a implementação de uma linha de troleicarros rápidos de 2 piso com mix articulado e alimentados por aerogeradores colocados na Foz pelo que em linha reta desde a praça do Imperio seria uma ideia bem verde mas não suficientemente madura para suportar algum lobbie em curso pelo que uma vez mais os cidadãos servem para 2 coisas: votar para legalizar compadrios e pagar impostos, de resto estejam caladinhos e quietinhos que os Sábios, sabem-na toda...

Destaques V+