Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

França quer vender ouro do FMI para ajudar economias vulneráveis de África

16 mai, 2021 - 13:08 • Lusa

Esta é uma das ideias que Macron apresentará na Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas que acontece na próxima terça-feira.

A+ / A-

A França vai propor que o Fundo Monetário Internacional (FMI) venda parte das suas reservas de ouro e aumente o volume dos fundos destinados à recuperação económica das economias mais vulneráveis, particularmente na África subsaariana.

Em declarações aos jornalistas nas vésperas da Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas, que decorre terça-feira em Paris com a presença de dezenas de chefes de Estado africanos, os conselheiros do Presidente francês vincaram que a venda de ouro será uma das ideias que Macron apresentará.

"Um dos pontos que estamos a tentar pressionar é pensar na ideia de falar sobre vendas de ouro do FMI, o que aumentaria a confiança do mercado e permitiria empréstimos com juros perto do zero para os países africanos", disse um dos conselheiros de Macron para África.

Salientando que "certamente não haverá uma decisão sobre esta matéria já na terça-feira", o responsável salientou que "a ideia é colocar o tema em cima da mesa para dizer que os Direitos Especiais de Saque (DES) devem ser utilizados principalmente pelos países de baixos rendimentos, nomeadamente os africanos".

O aumento da capacidade financeiro do Fundo de Crescimento e Combate à Pobreza, um dos principais instrumentos financeiros do FMI para acudir às necessidades dos países mais vulneráveis, é outra das ideias que a França vai lançar no encontro de terça-feira, que juntará dezenas de chefes de Estados e os líderes das principais instituições financeiras, como o Banco Mundial, FMI, Banco Africano de Desenvolvimento, para além dos responsáveis máximos da União Europeia e União Africana, e os países do G7 e do G20.

"Há outras fórmulas possíveis, pode-se imaginar a criação de outros fundos dentro do FMI, podemos imaginar que os DES podem ser canalizados para instituições com o Banco Mundial ou o Banco Africano, e estamos em discussões com ambos sobre como poderiam, caso recebessem, fomentar os investimentos na saúde e na educação", acrescentou a Presidência francesa.

A Cimeira sobre o Financiamento das Economias Africanas acontece na próxima terça-feira, e surge na sequência da divulgação de um pedido de apoio dos líderes africanos, a 15 de abril do ano passado, no Financial Times e no Jeune Afrique, afetados não só pelo impacto da pandemia na saúde dos cidadãos, mas também na economia, que viu as debilidades já existentes agravadas pelas medidas de restrição necessárias para impedir a propagação do vírus.

Apesar de o continente ter registado um número relativamente baixo de mortes, menos de 130 mil mortos, o equivalente às mortes no Reino Unido, por exemplo, os responsáveis do Eliseu, a residência oficial do Presidente da República de França, salientam principalmente o efeito na economia e, consequentemente, na vida das pessoas, cujo rendimento 'per capita' só deverá voltar aos níveis anteriores à pandemia em 2023 ou 2024.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+