Tempo
|
A+ / A-

CIP

Quase 80% das empresas esperam manter empregos, mas 15% preveem redução

15 fev, 2021 - 18:58 • Lusa

As expectativas de vendas das empresas para os primeiros meses de 2021 é, no entanto, negativa face ao mesmo período de 2020, com 53% dos empresários a esperarem uma diminuição e 16% um crescimento.

A+ / A-

Quase 80% das empresas esperam manter os postos de trabalho até ao final de abril, mas 15% prevê uma redução do número de trabalhadores, segundo os resultados de um inquérito apresentado esta segunda-feira pela CIP - Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

O inquérito realizado entre os dias 4 e 12 de fevereiro, no âmbito do "Projeto Sinais Vitais", desenvolvido pela CIP em parceria com o Marketing FutureCast Lab do ISCTE, abrangeu 519 empresas, a maioria das quais micro e pequenas empresas.

"Em todas as empresas - grandes, médias, pequenas e micro - existe uma expectativa de manutenção do número de postos de trabalho", sendo que "nas grandes empresas e nas médias a expectativa de aumento do número de postos de trabalho é superior à média nacional", conclui o estudo.

De acordo com os resultados, em média, 78% das empresas pretendem manter os postos de trabalho até final de abril, enquanto 15% anteveem uma redução e 7% um aumento de trabalhadores.


As expectativas de vendas das empresas para os primeiros meses de 2021 é, no entanto, negativa face ao mesmo período de 2020, com 53% dos empresários a esperarem uma diminuição e 16% um crescimento. .

"Esta perspetiva negativa é sobretudo verificada nas micro empresas, com 63% a esperar um comportamento negativo das suas vendas (contra 60% no mês anterior)", lê-se no documento.

Já nas grandes empresas, segundo o estudo da CIP, a expectativa de crescimento é verificada em 38% das empresas inquiridas, registando-se "uma melhoria" face ao mês anterior.

"Em termos de investimento, a situação é bem pior do que nas componentes de vendas e de recursos humanos, o que é preocupante por poder hipotecar o médio/longo prazo", com 46% das empresas, em média, a preverem uma diminuição face a 2019.

Mas a quebra esperada no investimento varia com a dimensão das empresas, já que 51% das microempresas anteveem uma queda enquanto nas grandes essa percentagem é de 38%. .

Aliás, 31% das grandes empresas esperam aumentar o investimento em 2021 face a 2019, apesar de 38% preverem uma queda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+