Tempo
|
A+ / A-

Conversão de alojamento local em arrendamento acessível custa 17,4 milhões por ano

07 jun, 2020 - 15:59 • Lusa

O Executivo está preocupado com as dificuldades de acesso à habitação.

A+ / A-

Veja também:


O Governo estima um investimento anual de 4,5 milhões de euros nas comparticipações do programa de conversão do alojamento local em arrendamento acessível, no âmbito da atual “crise habitacional”, a que acrescem 12,9 milhões de benefícios fiscais.

Segundo o Programa de Estabilização Económica e Social, publicado em Diário da República no sábado à noite, o financiamento é proveniente do Orçamento do Estado e a medida - que já tinha sido anunciada pelo Governo na quinta-feira, sem referência a verbas – é um complemento à “mobilização do património público”.

“É uma solução eficaz e rápida face à urgência de resposta à crise habitacional, com o benefício adicional de aumentar as opções disponíveis aos proprietários de alojamento local que se encontrem em dificuldade”, refere o programa.

O plano será concretizado através do apoio a programas municipais de arrendamento para subarrendamento a preços acessíveis, com uma comparticipação a 50% da diferença entre a renda paga e a renda recebida.

“Acresce a verba não coletada por via da isenção de tributação em sede de IRS/IRC concedida pelo Programa de Arrendamento Acessível”, indica o executivo, referindo-se aos impostos sobre os rendimentos singulares ou coletivos.

No total, o programa – cuja duração não é apontada - tem um peso de 17,4 milhões de euros por ano nos cofres do Estado.

O Governo admite que as dificuldades de acesso à habitação atingem hoje “segmentos da população com rendimentos intermédios, que até recentemente conseguiam encontrar no mercado habitação a custos compatíveis face aos seus rendimentos”.

É referido, por outro lado, que a dificuldade de acesso à habitação é “mais premente nas áreas com maior atratividade turística”.

Já no que se refere ao parque habitacional público, o Plano de Estabilização Económica e Social sublinha que uma parte está desocupada e pode ser disponibilizada, a preços acessíveis, após obras de reabilitação ou construção nova, o que permitirá também dinamizar o setor da construção.

O executivo socialista compromete-se, por isso, a avançar com a identificação dos imóveis disponíveis e com as intervenções necessárias, com um reforço dos recursos humanos do Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), que terá afetos as estas tarefas 20 novos efetivos.

Somando este investimento às despesas de serviços e empreitadas para estes objetivos, o Governo estipulou um montante de 48 milhões de euros para a operação relativa ao parque habitacional público.

O Plano de Estabilização inclui ainda, na área da habitação, quatro milhões de euros para empréstimos a famílias que não consigam pagar a casa.

Devido à pandemia de Covid-19, tinha sido criado um apoio financeiro, concedido pelo IHRU, dirigido a “agregados familiares com quebras significativas de rendimentos e senhorios de baixos recursos”, devendo as famílias ressarcir o instituto seis meses após o financiamento das rendas.

Porém, reconhecendo que, embora o estado de emergência já tenha sido levantado, muitas famílias poderão demorar a ter estabilidade financeira, o Governo decidiu agora que o apoio do IHRU vai ser estendido até setembro e que, para as famílias mais vulneráveis, o empréstimo possa ser convertido em subsídio não reembolsável, ou seja, sem devolução da verba.

“O apoio adicional a estas famílias irá assim garantir que estas podem permanecer na sua habitação, evitando novas situações de precariedade habitacional. Para esta medida, estima-se que o apoio financeiro possa chegar aos quatro milhões de euros em empréstimos concedidos, dos quais cerca de 1,5 milhões de euros poderão ter de ser convertidos em subsídios não reembolsáveis”, refere o documento.

O Programa de Estabilização Económica e Social, aprovado na quinta-feira pelo Conselho de Ministros, vigorará este ano para responder à crise provocada pela pandemia da Covid-19. O Governo vai aprovar na próxima terça-feira, dia 09 de junho, a proposta de revisão do Orçamento do Estado de 2020 relacionada com a Covid-19 que refletirá o Programa de Estabilização Económica e Social.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+