Tempo
|
A+ / A-

​António Costa anuncia sete novos navios para a Marinha

20 jul, 2018 - 13:26

Investimento integra-se no compromisso assumido por Portugal junto da NATO de reforçar o dispositivo das Forças Armadas. PM também adiantou que a construção caberá à indústria portuguesa.

A+ / A-

O primeiro-ministro anunciou esta sexta-feira, em Viana do Castelo, a construção, nos próximos seis a oito anos, de sete novos navios para a Marinha portuguesa, no âmbito da revisão da Lei de Programação Militar (LPM).

António Costa falava nos estaleiros da West Sea, na cerimónia de batismo do Navio-Patrulha Oceânico (NPO) Sines, o primeiro de dois em construção nos estaleiros da subconcessionária dos extintos Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

O chefe do Governo revelou que o investimento se integra no compromisso assumido por Portugal junto da NATO de reforço do dispositivo das Forças Armadas até 2024 e adiantou que a construção será efetuada na indústria portuguesa.

"Cada euro investido passará a valer por três porque reforçaremos a Defesa nacional, o sistema científico e o tecido industrial", disse.

António Costa adiantou que, no total, serão construídos dez NPO e um navio logístico polivalente.

Cada um dos NPO custará 60 milhões de euros e demorará cerca de dois anos a construir.

António Costa disse que hoje "é um dia de parabéns para a indústria portuguesa de construção e reparação naval", confirma a "vitalidade dos estaleiros" e honra a sua "longa atividade", sublinhando que toda a tecnologia usada foi desenvolvida em Portugal e está ao nível do melhor que se faz em todo o mundo".

"É um exemplo muito feliz do que pretendemos fazer para reforçar as nossas Forças Armadas", concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    21 jul, 2018 Lisboa 11:43
    60 milhões para um patrulha oceanico, praticamente desarmado, construido quase como um navio civil, parece-me excessivo. Navios semelhantes e até mais bem armados noutros países ficaram por 40/50 milhões. Os navios são absolutamente necessários, disso não há dúvidas. Mas espero que não seja um novo caso, Submarinos/Pandur, parte II, e não haja gente a meter ao bolso milhões, à custa dos Orçamentos militares.
  • Ver para crer
    20 jul, 2018 Portugal 16:35
    O Navio Polivalente Logístico é uma lacuna da Marinha há muitos anos e que já fez falta várias vezes para evacuações e não só. Havia um navio Francês em 2ª mão, que custava 80 milhões e que diziam ser sempre melhor que construir de raíz uma unidade acima de 400 milhões. Acabaram por não comprar. Agora arranjaram esses 400 milhões para o construir, ou isto é como os grandes planos da Liga Naval em 1912 que falavam em construir "3 couraçados, 3 cruzadores Blindados, 12 contratorpedeiros e 6 submarinos" mas foram planos que nunca saíram do papel? Isto é para levar a sério ou é propaganda? Ver para crer ...

Destaques V+