Tempo
|
A+ / A-

Sindicatos europeus. Salários seriam quatro vezes mais altos se refletissem produtividade

19 abr, 2018 - 20:03

Entre 2000 e 2016, na Alemanha, a produtividade aumentou três vezes mais do que os salários. Em Portugal, o fosso é ainda mais fundo: a produtividade cresceu 18%, enquanto os salários caíram 3%.

A+ / A-

Os salários na União Europeia seriam quatro vezes mais altos se tivessem acompanhado o aumento da produtividade nos últimos 16 anos, mas em Portugal a relação foi ainda maior dado que os salários caíram 3%, divulgou a Confederação Europeia de Sindicatos (CES).

A CES defende, por isso, a necessidade de aumentar os vencimentos dos trabalhadores da União Europeia com o argumento de que os aumentos salariais devem seguir os aumentos de produtividade.

"Os novos dados avançados pelo Instituto Sindical Europeu (ETUI) e a Confederação Europeia de Sindicatos mostram que os aumentos salariais na União Europeia, ao longo dos últimos 16 anos, teriam sido quatro vezes maiores se tivessem refletido plenamente os aumentos de produtividade", referiu a confederação numa nota de imprensa.

Mas, segundo a CES, a produtividade na Europa "tem aumentado muito mais do que os salários". Entre 2000 e 2016, a produtividade aumentou três vezes mais do que os salários na Alemanha e na Croácia e duas vezes mais na Polónia e na Bélgica.

Na Áustria a produtividade teve um aumento 65% superior ao dos salários, 60% em Espanha e 30% nos Países Baixos.

Na Hungria, Roménia, Portugal e Grécia, os salários reais diminuíram, ao passo que a produtividade aumentou.

Em Portugal a produtividade cresceu 18% no período em análise enquanto os salários caíram 3%.

Na Alemanha a produtividade cresceu 13% enquanto os salários cresceram 4%.

Nos Países Baixos a produtividade aumentou 15% e os salários subiram 12%.

Na Croácia a produtividade cresceu 42% e os salários 11%.

Na Roménia o crescimento da produtividade foi de 10% enquanto os salários caíram 15%.

Tendo a conta a discrepância verificada entre produtividade e salários a CES defendeu a necessidade de negociação coletiva efetiva e aumentos salariais em toda a União Europeia.

"É preciso haver uma negociação coletiva justa entre sindicatos e empregadores em toda a Europa para que haja aumentos salariais dignos e adequados. Os governos e instituições europeias deveriam fazer todos os possíveis para fomentar e proporcionar as negociações salariais", afirmou a confederação sindical.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pois claro
    20 abr, 2018 lisbon 19:53
    Ou então uma descida brutal da produtividade, para equilibrar as coisas, se os aumentos salariais não se efectivarem...
  • Orabem!
    20 abr, 2018 estemundotáentregueàbicharada 11:11
    Os governos não estão preocupados com isto, aqui em portugal o que interessa é discutir e fazer leis para a mudança de sexo aos 16 anos. A eutanásia para matar os velhos, o direito dos animais. Só porcaria. Os direitos e a dignidade das famílias não interessa para nada. Este mundo cada vez mais está a ser dominado pela estupidez.
  • É isto aí
    20 abr, 2018 no quartinho dos faxes 10:49
    Mas então não há comentários? Ninguém tem nada a dizer. CAMBADA DE BURROS! Só aparecem aqui como os nazis, quando os trabalhadores reclamem porque têm os salários congelados desde de 2010 e andam a ganhar uma miséria para este nível de vida e que faz tanta gente viver sem dignidade. Se for preciso ainda denigram os trabalhadores, que muitos não merecem o dinheiro que ganham. Uma falta de respeito sem precedentes, como se quem trabalhe não tenha contas para pagar, filhos para sustentar e direito à sua dignidade. Cambada de nojentos! Há gente que só me dá nojo! Já vi que o meu comentário não vá ser publicado, a liberdade de expressão neste espaço está de chuva. A verdade é que há quem tenha a liberdade de ofender, insultar, desrespeitar, não considerar direitos nos outros, e tudo em boas palavras, mas por outro lado não podemos, nem temos o direito à nossa indignação. Por isso, democracia? Eu chamo-lhe de hipocrisia! Aposto que se houvesse alguma greve por descontentamento, seja lá do que for, já estavam aqui todas a hienas para atacar. Mais uma vez, sinto NOJO DESTA GENTE!

Destaques V+