A+ / A-

PSD revela carta de Costa à Europa sobre venda do Banif

15 jun, 2016 - 23:43

Primeiro-ministro escreveu à Comissão Europeia e ao BCE em Dezembro. Sociais-democratas concluem que calendário de venda do banco estava em aberto.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, escreveu a 14 de dezembro uma carta aos presidentes da Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE) pedindo uma reunião para abordar o calendário de venda do Banif.

A missiva foi revelada esta quarta-feira pelo PSD na comissão parlamentar de inquérito sobre o Banif, num dia em que foi ouvido - pela terceira vez - o governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa.

"Por esta carta fica claro o entendimento do senhor primeiro-ministro no dia 14 de Dezembro de que o calendário estava em aberto e politicamente era importante acertar esse calendário", vincou o deputado do PSD Luís Marques Guedes, acrescentando que a missiva terá vindo "tarde de mais", depois da "facada dada pela TVI à viabilidade da venda do banco" em notícias do dia anterior.

No texto, o chefe do Governo pede aos líderes da Comissão Europeia e BCE - Jean-Claude Juncker e Mario Draghi - uma reunião presencial onde seja "definida a estratégia para a intervenção global sobre o sistema financeiro, os calendários da capitalização e dos processos de venda do Novo Banco e do Banif e a situação financeira do Fundo de Resolução" da banca.

A carta, frisou Luís Marques Guedes, não foi enviada pelo Governo à comissão de inquérito sobre o Banif, tendo o PSD "tido acesso" à mesma por outras vias.

O primeiro-ministro sublinha no texto que pretende em Portugal um banco público - Caixa Geral de Depósitos - sólido e robusto e também menos bancos privados, embora também eles mais fortes.

Em 20 de Dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif, com a venda de parte da actividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros activos - incluindo 'tóxicos' - para a nova sociedade veículo.

A comissão de inquérito sobre o negócio e o banco caminha para o seu final, tendo a audição de hoje do governador do banco central sido a penúltima - fica a faltar nova presença no parlamento do ministro das Finanças, Mário Centeno, que se deslocará ao parlamento na próxima semana.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis
    16 jun, 2016 Lisboa 09:41
    O Costa e o Centeno ainda fizeram alguma coisa para resolver o problema. E o que é que fez o Emplastro Passos e a Bacante Albuquerque? Não fizeram nada. As eleições estavam à porta pelo que só foi feito tudo aquilo que poderia dar votos. Para além das promessas não cumpridas para levar os otários a votar na PaFalhada Caranguejola. Deveriam estar calados se tivessem bom senso e já deveriam estar a ser investigados se a nossa justiça não estivesse hibernada.

Destaques V+