Tempo
|
A+ / A-

Líbano. O mistério do primeiro-ministro desaparecido

09 nov, 2017 - 14:48

Saad al-Hariri demitiu-se através de uma declaração lida na televisão a partir da Arábia Saudita, onde se encontrava de visita e de onde não regressou. Braço de ferro entre Riade e Teerão terá feito mais uma vítima.

A+ / A-

A estabilidade e a paz no Líbano estão novamente ameaçadas pelos jogos de poder regionais, mas o último episódio assume contornos bizarros, com acusações de que o primeiro-ministro do país se encontra retido na Arábia Saudita.

A variedade étnica e religiosa no Líbano torna particularmente difícil o equilíbrio político e social. A população está dividida entre cristãos, muçulmanos sunitas e muçulmanos xiitas. Há um consenso político que reserva cargos para membros de cada uma das comunidades. O Presidente, por exemplo, é sempre um cristão maronita e o primeiro-ministro é sempre sunita.

O actual primeiro-ministro, Saad al-Hariri, era um aliado da Arábia Saudita, a grande potência sunita do Médio Oriente, mas tinha na sua coligação o Hezbollah, uma força política e paramilitar xiita, com fortes ligações ao Irão, a grande potência xiita da região, que se encontra num braço de ferro com os sauditas.

O Iraque e a Síria são dois dos outros palcos deste braço de ferro, onde o Irão tem ganho clara vantagem.

No sábado passado, Hariri estava de visita à Arábia Saudita quando apareceu na televisão a ler uma declaração em que se demitia, dizendo que temia ser assassinado se voltasse ao Líbano. A decisão apanhou o país de surpresa e ameaça lançá-lo numa profunda crise, com o próprio partido do primeiro-ministro a insistir que ele foi obrigado a demitir-se pelo Governo saudita e a exigir o seu regresso.

O Governo libanês insiste que Hariri ainda é primeiro-ministro, uma vez que a sua demissão não chegou ao Presidente Michel Aoun

Fontes próximas de Hariri, contactadas pela agência Reuters, confirmam a tese de que o político foi obrigado a demitir-se. “Quando foi lá pediram-lhe que ficasse e foi obrigado a resignar. Obrigaram-no a ler a declaração de demissão e desde aí que está sob prisão domiciliária”, diz uma fonte, que pediu para não ser identificada.

Perante esta situação o Líbano pondera pedir à comunidade internacional que exerça pressão sobre a Arábia Saudita para a obrigar a libertar o seu primeiro-ministro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • No país da diversão
    09 nov, 2017 Lisboa 23:24
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. Para quem ainda não percebeu isto é um assunto interno do Líbano. Não percebo qual o interesse que tem para nós? Nós não temos nem podemos saber tudo o que se passa no mundo, temos de saber o que é importante, simples! Mas as verdadeiras noticias ficam na gaveta. Mas grandes culpados deste tipo de jornalismo da diversão são o povo que compactua com isto e ainda gosta de ser manipulado!
  • Anonimo
    09 nov, 2017 Lisboa 22:55
    Ele há cada idiota a comentar!!!! Até se convencem a eles próprios que os outros lhes ligam alguma coisa. As pessoas (para não lhes chamar ignorantes, no minimo) só comentam para se lerem a elas próprias!!!!!!!!!!
  • Horacio
    09 nov, 2017 Lisboa 22:30
    Isto é o tipo de coisa que acontece quando não há uma liderança americana coeherente é justa . Todos acham que podem tudo e aí é que morra o perigo. Não vai demorar muito a termos mais guerra .
  • A.Marques
    09 nov, 2017 Algarve 22:22
    Nos dias que correm, é como é com toda esta instabilidade através do Mundo. Se eu não conhece o que aí vem, talvez eu fizesse como os Libaneses, e tantos outros milhões através do Mundo. Fui católico, casei-me na Cova da Iria, mas há cerca de 35 anos, descobri nas Escrituras, aquele livro que nos diz que a mãe de Jesus foi uma jovem chamada Maria. E porque as Escrituras são a verdade, sempre acreditei. Mas nesse mesmo livro A Bíblia, também encontrei que Maria teve pelo menos 7 filhos, sendo Jesus o primogénito. E nesse livro único, também está escrito que Maria nunca subiu ao céu. Foi o seu filho Jesus quem o disse. Assim, termos uma fé nessa senhora, é uma pura ilusão. Ou então as Escrituras não são a Palavra de Deus. Mas elas são mesmo a verdade. Dentro de duas semanas vai sair um livro, que tem o título: O Ídolo que Mata Todos os Dias.. Ele diz tudo, é uma autêntica Revolução, mas é a verdade que la está escrito. Se quiserem saber quem é a Editora, peçam essa informação por Mail.

Destaques V+