Tempo
|
A+ / A-

Conhece as monjas trapistas? Estão a chegar a Portugal pela primeira vez na história

25 out, 2017 - 11:00 • Olímpia Mairos

Um novo mosteiro vai nascer no Planalto Mirandês. É a concretização do sonho das monjas italianas e resulta da vontade do bispo de Bragança-Miranda.

A+ / A-

É em Palaçoulo, no concelho de Miranda do Douro, que vai ser fundado o primeiro mosteiro trapista em Portugal. Chama-se “Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja” e é uma fundação do Mosteiro de Vitorchiano (Itália), pertencente à Ordem Cisterciense da Estrita Observância (OCSO) também conhecida como “Trapista”.

Em entrevista exclusiva à Renascença, D. José Cordeiro conta que o mosteiro surge como desejo de um lugar de paz, de graça e de misericórdia como escola de liturgia, de oração, de silêncio, e também como possibilidade de acolhimento a 40 peregrinos.

O porquê desta ordem para esta diocese? Fale-nos de como se desenrolou o processo para a fundação do Mosteiro na Diocese.

É uma boa pergunta! Os sonhos de Deus ultrapassam-nos e há porquês que nós não sabemos responder; são fruto do dom da graça de Deus, como foi o nascimento deste mosteiro. O mosteiro de Vitorchiano (Itália) pensou fundar um mosteiro em Portugal, no contexto do centenário das aparições de Fátima. E queria também um sinal. E esse sinal era que um bispo fizesse a proposta. E ao ter conhecimento disto, através dos beneditinos, sendo a diocese de Bragança-Miranda dedicada a S. Bento e com um passado também de um mosteiro aqui, neste território, fizemos a proposta. E depois de muitos e difíceis encontros, foi possível encontrar o lugar que as monjas trapistas escolheram para a implementação do mosteiro trapista, da ordem cisterciense da estrita observância e no seguimento do espírito de S. Bento. É a primeira vez que os trapistas vêm para Portugal e acontece aqui, na Diocese de Bragança-Miranda, e também, depois de 472 anos do mosteiro beneditino de Castro de Avelãs, surge um novo mosteiro neste território. Tudo isto é graça de Deus.

Qual o objectivo que norteou a decisão desta especificidade de Vida Consagrada?

A grande escola da liturgia, da oração, do silêncio, do trabalho, de ser um lugar de paz, de graça e de misericórdia, naquilo que as Irmãs pensaram, no contexto do centenário das aparições em Fátima, e ser em Portugal, naquele lugar ali, não escolhido por ninguém, mas que, depois de muitas e difíceis tentativas e propostas, foi o lugar que elas mesmas escolheram, aquando da sua primeira visita à diocese.

Qual o valor do investimento e quem o vai suportar?

Será a Ordem Cisterciense da Estrita Observância, por isso foi aprovado no capítulo mundial da Ordem e, certamente, contarão também com muitos benfeitores… Mas com fundos próprios da Ordem, que está presente em todo o mundo, com centenas de mosteiros e que, certamente, tudo conjugará para a fundação desta esta nova casa, uma vez que também é a única que será fundada, em 2017, em todo o mundo.

Quando vai começar a obra e prespectivas de conclusão. Abre com quantas religiosas?

Esperamos que comece o mais breve possível. Estamos na fase do projecto de aquitectura e de todas as burocracias com a câmara municipal de Miranda do Douro e com outras estruturas regionais, para que, o mais breve possível, possa iniciar esta obra, que ela se construa durante o ano de 2018, e no início de 2019 iniciasse verdadeira e autenticamente o mosteiro de Santa Maria, Mãe da Igreja, em Palaçoulo, com 10 monjas.

O sonho deste mosteiro é o de ser o lugar da contemplação, da oração e do trabalho para 40 monjas – é assim que está pensado – e também como hospedaria para 40 pessoas. Irá iniciar-se com 10 monjas, vindas do mosteiro de Vitorchiano, que tem neste momento cerca de 80 monjas e, por isso, sentiram a necessidade de fazerem uma nova fundação. É interessante o dado do capítulo geral, realizado em setembro, em Assis, que, no mundo inteiro fecharam quatro casas e vão abrir uma e em Portugal, na diocese.

De que forma poderá o Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja falar à diocese de Bragança-Miranda?

Gostaríamos que fale à Diocese e à Igreja presente em Portugal e não só… Fale através da oração, do silêncio, da paz, do trabalho… E acredito que serão muitas pessoas, em especial os jovens, a visitar, a rezar com aquela comunidade e a interrogar-se com as pequenas e grandes perguntas da vida.

Considera que o povo transmontano saberá acolher e interpretar uma presença tão “estranha” e compreender a sua missão?

A arte da hospitalidade já está reflectida no próprio terreno. Conseguir 30 hectares naquela zona, com o contributo de 25 famílias, coordenados pela paróquia de Palaçoulo, já por si é um milagre. E este é já o primeiro grande sinal do acolhimento e da realização do sonho de Deus.

O mosteiro de origem é muito fecundo em fundações. Considera que também o futuro mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja poderá florescer em vocações?

Deus queira que sim! Isso já não nos toca a nós, é sempre a graça de Deus a operar, mas acreditamos que sim, porque uma vida tão exigente, tão autêntica, tão feliz tem que dar fruto e ser mesmo muito fecunda.

Não considera comprometida, à partida, a continuidade do novo Mosteiro, dada a escassez de vocações à vida consagrada?

A fé é o grande risco na vida. E este é um risco que corremos juntos. E acreditamos que é um risco acompanhado pelo Céu e por Santa Maria, Mãe da Igreja neste centenário das aparições em Fátima. E temos sinais muito eloquentes e mais do que suficientes para acreditar no agora e no futuro fecundo deste mosteiro trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eduardo Pires Preto
    03 nov, 2017 Odivelas 23:27
    Como portugues e mirandês dou os meus sinceros parabens a todos os que apoiaram e em especial as familias de Palacoulo, que disponibilizaram os seus terrenos para a construcao desta "obra", tao importante para o concelho... util para todos!
  • Esperança de Sousa
    29 out, 2017 Porto 19:47
    Cada pedra une-se à seguinte e, essa estrutura de pedras vivas, virá compor entre vocês um edifício de arquitectura do fantástico silêncio, onde o ser se confrontará com a tarefa de reflectir, repousar ou, simplesmente se revelará na sua máxima harmonia. O meu elogio pelo o admirável e luminoso projecto.
  • couto machado
    29 out, 2017 porto 13:44
    Sejam benvindas e que incentivem outras a vir para cá. Parabéns.
  • Ana Guedes
    28 out, 2017 Bragança 20:56
    Que as monjas trapistas venham rapidamente. São muito bem vindas. Muitos PARABÉNS por terem escolhido a nossa diocese para a construção do seu mosteiro. 🌹
  • FernandoTeixeira/ CZ
    28 out, 2017 Vila Nova de Gaia 15:26
    De bom agrado. A m8m para alem do local para trabalho das irmãs no seu apostolado de oração, sacrificio como vicentino a forma de poderem haver espsco para peregrinos, é melhor forma de dar forma aos desejos do Papa Francisco que recentemente deixou em mensagem: Adorar, Acolher, Ir.
  • Pe. Valdemar
    26 out, 2017 Chaves 20:37
    Alegrei-me e fiquei muito feliz com esta notícia. A Igreja Portuguesa precisa desta presença. Acredito que Sra. de Fátima irá levar a obra a bom termo. Bem vindas a esta terra de Santa Maria. Contem com a nossa oração.
  • Maria Gorete O.C. Go
    26 out, 2017 Pretarouca 15:03
    Parabéns ao Sr. Bispo à diocese e a todos os que de boa vontade contribuíram para que haja mais Religiosas no nosso país. Graças a Deus
  • Ir. Victor
    26 out, 2017 Coimbra 14:39
    Não é a primeira vez, já cá estiveram duas monjas de Espanha na zona do Algarve com uma noviça portuguesa que acabou por falecer durante o período do noviciado. Esse foi o motivo porque as irmãs abandonaram o projeto e regressaram a Espanha ao seu convento.
  • José Carlos
    26 out, 2017 Braga 01:34
    Os meus parabéns Sr bispo ..o Espírito de s Bento deve florescer de novo nesta Europa doente da falta de Deus na vida de muito..e uma semente de esperança..
  • Isabel Roxo
    26 out, 2017 Parada Alfandega da Fé 00:56
    Bendito seja o Senhor cuja misericordia se compadeceu desta terra tão desprezada concedendo_nos a graça da vinda até nós de uma comunidade como esta. Benvindas e abeçoadas sejam estas irmãs que queremos receber e como servas e mensageiras do nosso querido Salvador. O meu coração exulta hoje de alegria com a perspetiva de virmos a ter perto de nós um bocadinho do Céu. Bem hajam todos os que contribuiram para a concretização deste projeto e que a Mãe Celeste o proteja e abençoe .

Destaques V+