Tempo
|
A+ / A-

“Lotação completa”. Falta de barcos complica travessia Barreiro-Lisboa

11 out, 2017 - 08:02

Quatro dos oito barcos da Soflusa estão parados. Na terça-feira, os passageiros tentaram forçar a entrada na zona de embarque e várias pessoas sentiram-se mal.

A+ / A-

"As pessoas estão desesperadas para ir trabalhar", descreve uma passageira à Renascença. Está a ser complicado fazer a travessia fluvial entre o Barreiro e Lisboa. A Soflusa já pediu aos passageiros que evitem fazer a deslocação entre as 8h00 e as 9h00.

No cais de embarque estão, esta manhã, cerca de mil pessoas, mas cada barco só leva 600 e a prática tem sido levar ainda menos pessoas a bordo.

Na terça-feira, devido à falta de embarcações vários passageiros tentaram forçar a entrada na zona de embarque no cais do Barreiro. Depois destes incidentes a administradora da empresa de transporte fluvial, Marina Ferreira, deixou um apelo. "Fazemos um apelo aos passageiros para tentarem coordenar as deslocações, para não haver um tão grande aglomerado de pessoas àquela hora."

Segundo a responsável, houve várias pessoas que se sentiram mal, uma mulher desmaiou e outros utentes magoaram-se na sequência das tentativas de forçar a entrada de acesso ao barco, tendo mesmo partido uma porta.

"Felizmente, não aconteceu nada de grave, mas é uma preocupação para a empresa porque é uma questão de segurança dos passageiros", declarou.

Na segunda-feira, a Soflusa suprimiu oito carreiras durante a hora de ponta da manhã.

A frota da transportadora é composta por oito navios, mas apenas quatro estão a funcionar, porque os restantes não reúnem as condições necessárias.

A Soflusa é a empresa responsável pelas ligações entre o Barreiro e Lisboa, enquanto a Transtejo faz as ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com a capital.

[Notícia actualizada às 16h45]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Victor
    11 out, 2017 Lx 17:52
    Por todo o lado está à vista a austeridade de esquerda na forma de cativações apesar do constante aumento da dívida e só não vê quem não quer ou está ideológicamente 'obtusado' !
  • Americo
    11 out, 2017 Leiria 10:27
    Bom dia. Chamem o Costa para irem às costas dele.
  • Maria
    11 out, 2017 Lisboa 10:03
    Que vergonha !... A Soflusa não tem sentido de serviço e muito menos de responsabilidade. Devia ser multada!
  • alberto sousa
    11 out, 2017 portugal 10:00
    É, "acabou a austeridade". Pena que com ela tenha terminado o dinheiro para manter Portugal com, pelo menos, os serviços mínimos a funcionar, como neste caso em que os barcos estão avariados e não há dinheiro para reparar, ao que junta a incompetência pois um deles não navega por falta de pedido de certificado de navegação a tempo e horas.É o que dá ter que "pagar" as altas faturas ás muletas deste (des)governo.
  • XUXAS MANIPULADORES
    11 out, 2017 Lx 09:50
    A tralha esquerdista com os xuxas no poder a destruírem os transportes pelas lindas cativações que fizeram e continuam a fazer, além da troyka..Uns manipuladores mas as mentiras serão descobertas a tempo... As esquerdas unidas contra o povo que dizem defender. Eles andam em bons carros pagos por nós e o povo que quer vir trabalhar para Lisboa vive neste sufoco sem transportes...Viva o xuxalismo de miséria tipo Venezuela...